Verão poderá ter surto de dengue em Jundiaí

O Grupo Permanente de Monitoramento de Endemias na Saúde, formado por dez unidades de gestão da administração municipal – incluindo Saúde, Educação, Mobilidade, Defesa Civil (pela Casa Civil) e Serviços Públicos – se reuniu na tarde desta quinta (14), no Paço Municipal, para planejar as ações para o próximo verão. O objetivo é o combate às arboviroses – como dengue, zika vírus, febre amarela e chikungunya, transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti – que são mais comuns nesta estação.

Segundo Ozahata, participação do cidadão é indispensável: mais de 80% dos criadouros são encontrados em imóveis particulares

Jundiaí registrou este ano mais de 2.800 casos confirmados de dengue, sendo mais de 2.600 deles autóctones – ou seja, contraídos aqui na cidade. Segundo o gerente da Vigilância em Saúde Ambiental da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde, Carlos Ozahata, a previsão é que no próximo verão o surto seja ainda maior, devido ao aparecimento, este ano, do sorotipo 2, que há mais de dez anos não era registrado na cidade. “Com isso, temos uma população mais suscetível, o que demanda maior atenção tanto do poder público quanto do cidadão”, afirmou.

A Unidade de Promoção da Saúde está organizando um plano de vigilância das arboviroses para os próximos dois anos, incluindo desde a atenção básica – mas a participação de cada cidadão é indispensável. “Mais de 80% dos criadouros encontrados na cidade está em imóveis particulares. Os órgãos públicos farão sua parte, mas cada morador é parte essencial desse trabalho”, ressalta.

A recomendação é que cada pessoa faça uma vistoria em sua casa, imóvel ou local de trabalho semanalmente, verificando se existe algum tipo de depósito de água que possa servir como criadouro do mosquito.