Viaduto das Valquírias será liberado dia 20

No próximo dia 20, Jundiaí vai ganhar por completo a mais importante obra de mobilidade da atual gestão: o Viaduto do Córrego das Valquírias. Ele integra o Complexo Viário Ary Fossen e oferecerá, em sua etapa final de construção, uma alternativa de ligação entre o Centro e a Região Oeste da cidade. Os últimos detalhes para a liberação da via à população já foram acertados, como a retirada de um poste de energia no domingo (6), sob responsabilidade da CPFL Piratininga, e a instalação de semáforos na pista, que cabe à Unidade de Gestão de Mobilidade e Transporte do município.

 

O investimento total no viaduto, situado na rodovia Anhanguera (km 58+900), foi de R$ 14,5 milhões, obtidos por meio de financiamento com o Desenvolve SP. Devem passar pelo local diariamente, em horários de pico, 1.200 mil veículos. A partir de 20 de outubro, quando a obra estiver liberada nos dois sentidos, a previsão é que ela desafogue o trânsito em importantes regiões da cidade, como o Complexo Viário Xisto Cereser e a rotatória da Avenida Jundiaí, no Jardim Samambaia.

A interligação do Viaduto das Valquírias ao viário municipal entrou em sua fase final no início do segundo semestre deste ano. A pista do complexo sentido Centro foi inaugurada em 5 de abril de 2018. A empresa contratada pela Prefeitura de Jundiaí trabalhou para liberar o tráfego pela avenida Osmundo dos Santos Pellegrini. Outros reparos recentes ocorreram no canteiro central desta via, além da execução de faixa de desaceleração, retificação da curva de acesso à Marginal Sul da rodovia Anhanguera, acoplamento da via ao viaduto e a conclusão da ciclovia que passa pela edificação.

No dia 10 de maio, a Prefeitura liberou mais um acesso à Marginal da Anhanguera que estava fechado por conta das obras no Viaduto das Valquírias – a rua Elias Juvenal de Melo, que leva os motoristas que vêm da rua Barão de Teffé em direção à Anhanguera (SSP-330). Na ocasião, o prefeito Luiz Fernando Machado destacou a importância de toda a obra para a cidade. “Junto com o novo viaduto da Avenida 9 de Julho, esta é uma das mais importantes obras de mobilidade realizadas em Jundiaí nos últimos anos. Quando o viaduto estiver pronto, os motoristas terão mais uma alternativa para chegar aos bairros do Vetor Oeste, região que não para de crescer”, comentou.

 

Espuma de asfalto

Em janeiro deste ano, a Prefeitura de Jundiaí utilizou, pela primeira vez em uma obra de recapeamento de via na cidade, um material reciclável fresado conhecido como “espuma de asfalto”. A técnica sustentável – já utilizada em várias cidades brasileiras – é aplicada atualmente na melhoria da Avenida Osmundo dos Santos Pellegrini, no Retiro, que integrou a segunda fase do Viaduto das Valquírias.

Segundo o gestor-adjunto de Obras de Infraestrutura, Ademir Pedro Victor, o processo consiste na retirada da capa e da base do asfalto danificado, que é levado para uma usina móvel onde é, então, reciclado até se transformar na espuma. “O material é fresado e depois misturado com cal, pó de pedra, cimento asfáltico de petróleo e água, sendo depois processado numa temperatura de 160 graus”, explicou.

Além do ganho ambiental, já que o resíduo não é descartado, a técnica garantiu agilidade à obra, uma vez que, por se tratar de uma usina móvel, a reciclagem é feita no próprio local e não há necessidade de grandes deslocamentos. “Há uma boa economia financeira também porque isso elimina a necessidade de comprar granulado para servir como base para o recapeamento”, acrescentou Ademir.