Fórum Jundiaí 2050 discute novas tecnologias

Quais os conhecimentos que precisamos adquirir agora para construir a ponte para o futuro? A pergunta lançada pelo Gestor de Governo e Finanças de Jundiaí, José Antonio Parimoschi, na abertura do segundo encontro do Fórum Jundiaí 2050, nesta quinta (10), resume o desafio enfrentado pelas cidades para construir uma agenda de longo prazo. O tema desta edição foi “Economia Inteligente: Tecnologia e Inovação para transformar o futuro das cidades”.

A série de encontros, iniciada no último dia 24 de setembro, contou desta vez com palestras da presidente da Microsoft Brasil, Tania Cosentino, e do vice-presidente do Programa Executivo do Gartner América Latina, Aurélio Bastos. O evento reuniu representantes de universidades e organizações como Fiesp, Ciesp e do sistema S (Sesc, Sesi, Senac), além de empresários e convidados.

A presidente da Microsoft Brasil iniciou sua palestra afirmando que Jundiaí já é uma cidade líder em conectividade, mas que os desafios são permanentes – tanto para pessoas quanto para instituições. “A maioria das habilidades e conhecimentos que possuímos hoje terá a duração de um ano e meio, em média; após esse tempo, já teremos que ter adquirido e atualizado nossos conceitos para nos adaptar a um futuro cada vez mais próximo”, afirmou.

Segundo ela, a tecnologia pode ajudar nesse sentido, citando como exemplo o “water management” (gestão do abastecimento de água) e armazenamento de dados na nuvem. “Com inteligência artificial, por exemplo, é possível transformar o ambiente de negócios da cidade, como é o caso das startups”, disse. Por seu trabalho na América do Sul, Tânia foi reconhecida como uma das 10 pioneiras em atuar nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável do Pacto Global da ONU em 2017 e foi considerada uma das 100 Líderes Visionárias pela revista Real Leaders.

Já o representante da empresa de pesquisas em tecnologia Gartner, Aurélio Bastos, destacou que uma cidade é “inteligente” não por ser robotizada, e sim por usar a tecnologia para melhorar a vida de seus habitantes. “Vejo que Jundiaí já tem uma série de iniciativas nesse sentido”, afirmou. “Como pensamos a cidade em 2050? Com inteligência e tecnologia aplicados a transporte, saúde e serviços, o que possibilita administrar melhor os recursos públicos e aplicá-los em mais setores”. Ao final do encontro, os participantes puderam fazer perguntas aos palestrantes.

 

Jundiaí 2050

A série de palestras e debates Fórum Jundiaí 2050 – uma iniciativa da administração Luiz Fernando Machado, por meio da Unidade de Gestão de Governo e Finanças – busca capacitar segmentos do município de Jundiaí para o desenvolvimento de uma agenda municipal com foco no futuro da cidade. Há seis outras oficinas, com diferentes temas, marcadas até dezembro. O objetivo é levar para os diversos segmentos da sociedade, além do corpo técnico da prefeitura, discussões sobre temas relevantes para a elaboração de um plano estratégico de longo prazo, ou seja, uma agenda municipal com visão de futuro: a Agenda Jundiaí 2050.