Policiais militares identificam motorista que causou acidente com morte

Os policiais militares, com o sargento Santiago, cabo Miguel e soldado Bernardo, localizaram nesta terça-feira (08) o motorista de Astra que causou acidente de trânsito com morte do porteiro Samuel de Souza Rodrigues, de 62 anos, na madrugada do último domingo (06) na Rodovia Bispo Dom Gabriel Paulino Bueno Couto, no bairro do Parque Eloy Chaves.

O soldado Bernardo contou ao “Jornal da Região” que chegaram informações para a Polícia Militar de que um Astra com a frente batida havia sido deixado em frente de uma funilaria no bairro Residencial Jundiaí.

No domingo o “JR” publicou que o delegado Edson Antônio dos Santos havia tentado obter as imagens das câmeras de monitoramento da concessionária Rodovias das Colinas, para identificar o autor do acidente, que dirigia um Astra e bateu na traseira do Palio, jogando a vítima para uma ribanceira. O porteiro morreu no local. O motorista do Astra foi embora. A concessionária não forneceu as imagens e mandou a Polícia Civil fazer requisição por meio de ofício nesta semana.

O dono do Astra, diante do acidente com vítima fatal, tentou enganar a Polícia e registrou boletim de ocorrência de furto do seu veículo e alegou que achou posteriormente o veículo, completamente danificado. Ele contou essa versão para o dono da funilaria, que foi arrolado como testemunha dos policiais militares.

Em contato com o delegado do 5º Distrito Policial, Ruiter Martins da Silva, os policiais foram orientados a apresentar o carro envolvido no acidente e o proprietário do veículo.

Os soldados da Polícia Militar foram até a casa do dono do Astra e ele acabou confessando que estava envolvido no acidente de trânsito e deixou o local.

O corpo de Samuel foi sepultado no Cemitério Nossa Senhora do Desterro, no Centro de Jundiaí, na segunda-feira (07), pela manhã.

O delegado Ruiter determinou o indiciamento do dono do Astra por homicídio culposo, omissão de socorro e falsa comunicação de crime.

Como não foi preso em flagrante, o dono do Astra vai aguardar decisão da Justiça em liberdade. Ele pode ser denunciado pelo Ministério Público para ser julgado por Júri Popular.

Na delegacia, os investigadores do 5º Distrito elogiaram o trabalho dos soldados da Polícia Militar e a colaboração da população que fez denúncias quando viu o Astra batido em frente da funilaria.