Ações contra o mosquito da dengue prosseguem

Sem grande período de inverno com baixas temperaturas, as equipes da Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ), da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde, manteve a atenção aos mosquitos Aedes aegypti durante todos os meses deste ano. Com mais de 60 mil visitas ‘casa a casa’ realizadas entre janeiro e agosto, a meta é intensificar a conscientização da população e eliminar os possíveis criadouros antes da chegada do período de chuvas. Nos próximos dias 3 e 4 de outubro será realizada a ação ‘Xô Mosquito’ em parceria com o 12º Grupo de Artilharia de Campanha Barão de Jundiahy (12º GAC), para trabalhar as áreas de maior ocorrência de casos positivos.

“Não tivemos um inverno característico e isso facilita a proliferação dos mosquitos transmissores das arboviroses se esses encontrarem criadouros para a postura dos ovos. Agora é momento certo para a eliminação de qualquer objeto que possa acumular água e que esteja no quintal ou no interior da casa. Ao longo deste ano, com mais de 60 mil visitas em casas, ficou caracterizado que o prato de vaso ainda é o principal foco de Aedes aegypti nas residências habitadas”, comenta a biomédica da UVZ, Ana Lúcia de Castro.

Nesta semana, a UVZ encerra a ação classificada como ‘repasse’ na Vila Hortolândia, onde foram registrados, até o dia 13 de setembro, 163 casos positivos de dengue. Apesar da positividade e das mais de 10 mil visitas realizadas no bairro, 31 focos de mosquitos foram encontrados. Segundo a biomédica, a antecipação da ação em parceria com o 12ª GAC tem por objetivo manter a população em alerta contra o vetor transmissor de arboviroses.

A ação com a parceria do Exército Nacional, normalmente é realizada nos primeiros meses do ano, por conta do período das chuvas e altas temperaturas – situação que favorecem a proliferação dos mosquitos Aedes aegypti -. “O trabalho das equipes consiste em monitorar, orientar a população quanto aos riscos das doenças e necessidade de eliminação dos possíveis criadouros nas residências. Os cuidados são de conhecimento de todos, porém, é preciso relembrar anualmente a população”, explica.

Jundiaí disponibiliza Boletim Epidemiológico sobre as arboviroses para que a população possa acompanhar a ocorrência. Entre 1 de janeiro e 13 de setembro foram registradas 6.342 notificações, 2.874 casos confirmados (2.675 – autóctones, 192 – importados, 7 – indeterminados) com um óbito registrado.