Mãe e padrasto presos acusados de causar morte de Luiza

A menina Luiza Vitória de Oliveira Rocha, de 3 anos, do bairro da Água Doce, em Jundiaí, morreu na madrugada deste domingo (25) no Pronto Socorro do Hospital Universitário. De acordo com denúncia apresentada pela Polícia Militar no Plantão da Polícia Civil, os médicos constataram que a criança faleceu em razão de maus tratos.

O delegado Victor Pizzolatti determinou a prisão em flagrante da mãe, Larissa Cabral de Oliveira, de 21 anos e do padrasto, Fabrício da Silva Sousa, de 26, porque eram os únicos que tinham contato com a criança.

A equipe médica do Hospital Universitário comunicou o Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente, ao constatar sinais de maus tratos, como bolhas causadas por queimaduras, lesões no couro cabeludo e havia sinais de espancamento.

O casal foi ouvido pelo delegado e negou as agressões, contrariando boletim médico.

O pai de Luiza, Luiz Henrique Rocha, disse ao “Jornal da Região” que estava separado de Larissa havia cinco meses. Que ela estava vivendo com Fabrício no bairro da Água Doce e não tinha conhecimento das agressões contra a filha. “Foi muita maldade o que fizeram”, disse. “Como podem fazer isso?”, questionou, bastante emocionado.

Luiz ficou sabendo do caso porque a mãe o avisou que a filha tinha sido internada no Hospital Universitário e quando chegou foi avisado que a menina estava no necrotério.

Diante do homicídio consumado, o delegado Victor determinou a prisão em flagrante do casal, sem fixação de fiança.

O caso deverá ser levado ao Tribunal do Júri de Jundiaí.