Detentos do semiaberto fazem trabalhos de manutenção na cidade

O serralheiro Fernando Célio Rocha, de 39 anos, está com a autoestima renovada. Há cerca de dois meses, ele deixa a Penitenciária de Franco da Rocha, diariamente, e parte para o Departamento Central de Suprimentos e Serviços (DCSS), da Prefeitura, onde trabalha como serralheiro. “Estou muito contente com essa nova rotina. Posso colocar em prática meus conhecimentos e ajudo na manutenção da cidade. Me sinto mais reintegrado à sociedade desde então”, disse.

Seu colega de trabalho Jeferson dos Santos Mineiro, de 29 anos, trabalha como pintor no local e tem a mesma opinião. “Acredito que esta seja uma forma de mostrar à sociedade que queremos uma segunda chance para fazer as coisas direito. O pessoal aqui do Centro nos trata com muito respeito e isso nos dá mais confiança e incentiva a gente a buscar um novo caminho”, afirmou. Diariamente, ele aplica os conhecimentos que adquiriu em cursos que fez no Senai e em capacitações oferecidas pelo Governo do Estado.

Os dois rapazes são apenas dois exemplos do benefício mútuo proporcionado por um convênio assinado em abril deste ano entre a Prefeitura de Jundiaí e a Fundação Professor Dr. Manoel Pedro Pimentel (FUNAP) para execução de serviços de limpeza urbana, conservação e manutenção de espaços públicos no Município. “Nosso objetivo é dar a um grupo de detentos do semiaberto a chance de retornar ao convívio social e otimizar os serviços realizados na cidade. Trata-se de um complemento às ações de zeladoria que realizamos”, pontuou o prefeito Luiz Fernando Machado.

O DCSS realiza os reparos solicitados por todas as Unidades de Gestão da Prefeitura e, por isso, a demanda é alta. A ajuda dos reeducandos é importante, ressaltou o diretor Edimário Mendes da Silva. “Atualmente, com o reforço proporcionado por esses dois trabalhadores, nós conseguimos atender demandas urgentes em até 24 horas”, garantiu. Os jovens fazem reparos em peças de ferro como portões, corrimões e grades, além de realizarem também solda em caminhões quando necessário.

Desde a assinatura do convênio, os cerca de 70 reeducandos participantes da iniciativa já contribuíram para a manutenção da cidade em várias áreas. No bairro Almerinda Chaves, por exemplo, uma equipe concluiu recentemente a concretagem de várias vielas e, atualmente, atuam em reparos na Praça Onofre Canedo. Uma outra equipe já realizou manutenções gerais nos parques do Morada das Vinhas e Jardim do Lago. Na próxima etapa vão atuar no Jardim do Lago.

Um dos serviços principais contemplados pelo convênio é o de corte de mato. Nos quatro meses de atividade, os reeducandos já fizeram a conservação de 15 mil metros lineares em vários bairros de Jundiaí, deixando a cidade mais limpa e bem conservada.

A jornada de trabalho é de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, com uma hora de intervalo para almoço. A Prefeitura paga diretamente à FUNAP o valor de R$ 998 por mês por cada reeducando participante do convênio, além de vale-alimentação e vale-transporte. O repasse do valor para o reeducando é de responsabilidade da Fundação, assim como os aspectos relativos à segurança e fiscalização do serviço.