Prefeitura encaminha pessoas com deficiência para o mercado de trabalho

Anderson Neves de Lima, de 32 anos, e Leonardo Augusto Semede, de 18, começaram a trabalhar este mês na unidade Jundiaí do Grupo Petrópolis, produtor de cervejas e bebidas não alcoólicas. Em comum, ambos têm deficiência intelectual e conseguiram ser contratados como resultado da parceria entre a empresa com a Prefeitura de Jundiaí, por meio da Assessoria de Políticas para a Pessoa com Deficiência.

“Eu não arranjava emprego de jeito nenhum, mesmo com a ajuda da minha mãe, que tentou em muitos lugares; chegaram a dizer pra ela para me aposentar. Agora que comecei a trabalhar aqui estou muito feliz”, diz Anderson.

Nos 28 anos da Lei de Cotas para deficientes – a Lei 8.213, de 24 de julho de 1991 – a Assessoria de Políticas para a Pessoa com Deficiência comemora bons resultados no encaminhamento e contratação de pessoas. Só este ano já foram encaminhados 275 cadastros (o que não significa o número de pessoas: o mesmo cadastro, correspondente a um candidato, é encaminhado a várias empresas) e já foram contabilizadas 26 contratações de pessoas com deficiência (PcD). Em 2018, foram enviados 800 cadastros, com 60 contratações.

Segundo o assessor de Políticas para Pessoas com Deficiência, Marco Antonio Santos, os resultados são muito positivos, principalmente após a criação do aplicativo “Serviços Inclusão PcD”, que pode ser acessado no site da Prefeitura. “Por meio desse aplicativo, a pessoa com deficiência pode se cadastrar para ser encaminhado a vagas de trabalho, além de saber mais sobre legislação e equipamentos públicos para deficientes”, afirma.

A Lei de Cotas determina que empresas com mais de cem funcionários devem contratar de 2 a 5% de colaboradores com deficiência. Companhias que não cumprirem a legislação estão sujeitas a multas que podem chegar até a R$ 241.126,88. Atualmente a Assessoria de Políticas para a Pessoa com Deficiência conta com cerca de 300 cadastros ativos, além de 40 empresas cadastradas, que procuram a assessoria em busca de candidatos para contratação.

Foi o caso da unidade Jundiaí do Grupo Petrópolis, cuja parceria com a Prefeitura de Jundiaí teve início em maio deste ano. A empresa, que tem 227 funcionários e conta com o “Programa Diversidade”, para inclusão de PcDs, estava com dificuldades para atender à Lei de Cotas. “A parceria com a Prefeitura de Jundiaí ‘salvou nossa vida’, pois é um setor focado, que direciona cadastros de pessoas com deficiência e o respectivo laudo, necessário à contratação”, explica Karla Bueno, analista de RH da empresa. “Se todas as prefeituras tivessem a mesma iniciativa, haveria muito mais inclusão”.

Segundo Marco Antonio, nem todas as empresas têm essa preocupação. “Ainda não existe muita conscientização, e este é nosso trabalho, já que o fortalecimento e a criação de medidas que favoreçam a inclusão compõem o plano de governo da atual gestão”, afirma. “As empresas devem cumprir a lei e também compreender seu papel de responsabilidade social”.