Morre o jornalista Juarez Soares

O radialista e jornalista Juarez Soares faleceu nesta terça-feira (23), aos 78 anos, em decorrência de problemas cardíacos.

Juarez Soares iniciou a carreira como narrador esportivo aos 17 anos, na Rádio Cultura da cidade de Lorena. Em seguida, foi aprovado em um teste na Rádio Difusora, na capital paulista, estreando em agosto de 1961.

Sua carreira evoluiu quando transferiu-se para a Rádio Tupi, levado por Pedro Luiz, um dos principais locutores esportivos da época. Juarez Soares fez parte da “Equipe 1040” na Rádio Tupi, que marcou época na história do rádio brasileiro. Atuou como repórter na Rede Globo na década de 1970 até o início dos anos 80, participando da cobertura da emissora na Copa do Mundo de 1982, na Espanha e nessa época também foi locutor de rádio das Rádios Globo e Excelsior.

Trabalhou muito tempo na TV Bandeirantes na equipe de Luciano do Valle, onde foi demitido por politizar seus comentários. De 1996 a 1998, esteve na equipe esportiva do SBT. Torcedor confesso do Corinthians fez parte da equipe de esportes da Rádio Record e do programa Debate Bola, comandado na TV Record por Milton Neves.

Foi filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT) por 21 anos, legenda pela qual foi eleito vereador em 1988 como o 6º vereador mais votado da cidade e o terceiro melhor do PT, com quase 40 mil votos. Após as eleições, aceitou o convite da Luiza Erundina para assumir como Secretário dos Esportes da cidade de São Paulo. Como secretário, conseguiu trazer a Fórmula 1 de volta para o autódromo de Interlagos que havia perdido anos antes para o autódromo de Jacarepaguá.

Desfiliou-se do PT em 2003 e em junho do mesmo ano ingressou no PDT, sendo candidato a vice-prefeito na chapa de Paulo Pereira da Silva nas eleições de 2004, mas a chapa não obteve sucesso amargando a 5ª colocação com 86.549 votos (1,4% dos votos válidos).

No governo de José Serra a frente da Prefeitura de São Paulo, Juarez Soares foi secretário-adjunto da Secretaria do Municipal do Trabalho, mas pediu exoneração no início de 2006, quando o jornal Folha de S.Paulo publicou uma denúncia de nepotismo contra Juarez, que mantinha a filha e o genro empregados na secretaria onde trabalhava.

Juarez Soares foi comentarista da Rádio Transamérica de São Paulo, que o demitiu em janeiro de 2016. Foi comentarista de futebol na RedeTV! até 5 de abril de 2019, quando foi demitido. Também em 2019, voltou ao rádio esportivo como comentarista do programa Capital da Bola, pela Rádio Capital.

Era casado com a também jornalista Helena de Grammont, irmã de Elaine de Grammont, vítima de um assassinato passional ocorrido em março de 1981 pelo ex-marido, o cantor Lindomar Castilho.

É de Juarez Soares a frase, “Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”.