ACE faz diagnóstico da Economia de Jundiaí

 A Associação Comercial Empresarial (ACE) de Jundiaí inicia, a partir desta segunda-feira (29) o Diagnóstico Empresarial que vai apontar dados para a compreensão do mercado, identificação de falhas e de oportunidades para a criação de estratégias que aumentem a eficiência dos negócios no município. O projeto tem correalização da Cooperativa Sicoob Integrado e apoio do Sebrae.

Durante seis semanas consecutivas uma equipe fará contato telefônico com 2 mil empresas associadas de diferentes segmentos.  Na segunda etapa serão entrevistados presencialmente outros 1.800 empresários, associados ou não, estabelecidos entre o Centro da cidade e outros polos comerciais espalhados por bairros da cidade.

As empresas entrevistadas responderão perguntas referentes às perspectivas futuras (expectativa de crescimento, aumento de equipes, transformação digital), políticas financeiras, o que mais valorizam em Jundiaí, maiores dificuldades atuais etc. O questionário vai permitir a compreensão de como o mercado vem se posicionando diante do cenário econômico atual.

Será possível ainda identificar fatores chaves que impactam diretamente na sobrevivência das empresas e também as dificuldades de cada segmento. “Queremos traçar um perfil sócio-econômico das empresas e apontar os principais desafios enfrentados”, explica o presidente da ACE, Elton Monteiro.

Elton explica que o Diagnóstico é o primeiro passo para a produção de indicadores de processos de diferentes áreas, de vendas e financeiro à marketing e gestão de pessoas. “Estamos na era da informação e não temos na nossa microeconomia estas informações detalhadas do perfil dos comerciantes e empreendedores”, explica. “Quando há dados é mais fácil na hora da tomada de decisão.”

Os dados produzidos serão reunidos em um único material e o resultado será disponibilizado aos participantes do Diagnóstico.  Será uma ferramenta para direcionar ações necessárias para atender as principais demandas dos empreendedores e assim auxiliar o desenvolvimento da economia dentro do município.  “Vamos criar uma inteligência de atuação e para a Associação este será o principal resultado. Saberemos onde atuar, quais os principais gaps dos empreendedores, que tipo de produto podemos construir ou onde temos de focar as ações.”