Juvenal não aparece na Câmara de Várzea

O prefeito de Várzea Paulista, Juvenal Rossi, não compareceu na Câmara Municipal da cidade, na noite desta terça-feira (11), quando os vereadores queriam questioná-lo sobre o caso Vitale Saúde. A empresa que administra a Unidade de Pronto Atendimento (UPA-24 Horas) foi denunciada pelo Ministério Público por pagar propina para dois secretários, na quantia de R$ 170 mil.

O prefeito enviou uma carta para o presidente da Câmara, Guilherme Zafani, explicando que aceitou o pedido de exoneração dos dois secretários, Davi Alexandre da Silva, da Inovação e Desenvolvimento e de Mônica Carvalho, da Saúde.

Disse que tentou de todo jeito obter dados concretos das acusações junto ao Ministério Público, mas foi informado que o processo corre em segredo de Justiça. Disse que os próprios vereadores tentaram e não conseguiram, pelo mesmo motivo.

Juvenal explicou na carta que já havia assumido outros compromissos, por isso não podia estar presente na sessão da Câmara. Mas deixou claro que o Gabinete do Prefeito está à disposição dos vereadores, quando quiserem.

O prefeito de Várzea Paulista destacou que deseja ver o caso esclarecido.

As investigações do Ministério Público tiveram início a partir de irregularidades descobertas no Hospital Ouro Verde, em Campinas, onde a Vitale Saúde prestava serviços como gestora. Foram apurados mais de R$ 8 milhões de recursos públicos desviados de várias maneiras. As investigações prosseguem.

Foto: Motoboy Xororó