Condephaat autoriza ação na Estaçãozinha

A campanha “Estaçãozinha Pede Socorro”, desenvolvida por ferroviários e moradores desde outubro em torno das ruínas da Estação Jundiahy-Paulista (1898) recebeu na segunda-feira, 3, o reconhecimento do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Arquitetônico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat).

Em ofício da secretaria do colegiado, a Unidade de Proteção do Patrimônio Histórico – a UPPH da Secretaria de Estado da Cultura -, a coordenadora Valéria Rossi Domingos autoriza a campanha nas ações de limpeza no local das ruínas do incêndio de 2018. E disponibiliza a equipe técnica para apoio do futuro projeto coletivo para o espaço, que está no perímetro do estudo de tombamento das oficinas aberto desde 1997.

O pedido foi feito pela Associação de Preservação da Memória da Companhia Paulista (Instituto Envelhecer). Pela campanha, estiveram presentes no prédio da antiga Estação Júlio Prestes, em São Paulo, o gestor Eusébio Pereira dos Santos e o colaborador José Arnaldo de Oliveira. Foram recebidos pela diretora técnica, Elisabete Mitiko Watanabe.

A associação, atualmente parte do instituto, teve sua atuação nas ruínas reconhecida também pelo órgão federal DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre) em 8 de maio, com a presença de Prefeitura e Câmara. Também tem mantido diálogo com o Ministério Público.

A essência do movimento, destaca a campanha, é formada por moradores, artistas, ferroviários, pesquisadores e simpatizantes que tornam viva a memória social dos 120 anos da estaçãozinha, atingida por um incêndio depois de anos de abandono. São dessas vivências que a relação entre envelhecimento ativo e patrimônio histórico gera um espaço de memória social na campanha.

Contatos: [email protected] (ou grupo Estaçãozinha na rede FB)

(foto, antes de incêndio que destruiu o imóvel)