Juiz dá palestra para crianças de Fundação

O juiz da 3ª Vara Cível de Jundiaí, Marco Aurélio Stradiotto, deu palestra para 20 alunos do Ensino Fundamental da Fundação Antônio Antonieta Cintra Gordinho, em Jundiaí.

Pai de uma adolescente de 12 anos, o magistrado se saiu muito bem no bate-papo, inclusive falando a linguagem dos jovens e até abordando temas como exposição às mídias sociais, séries de TV, drogas e ciberbullying.

“Agradeço a possibilidade de participar deste projeto, por iniciativa do vereador Edicarlos com a Prefeitura. Comentei que é muito difícil falar com os adolescentes, pois são mais questionadores que os adultos. Me abri e tentei falar a linguagem deles, o que facilitou esse diálogo. Aprendi com todos e acredito que eles receberam isso muito bem, também. Fiz questão de dizer que as portas do Judiciário, do Executivo e Legislativo estão abertas”, destacou Stradiotto.

O vereador Edicarlos Vieira, representando a Câmara Municipal, lembrou que a ideia do projeto surgiu por meio da Constituição em Miúdos – uma publicação federal que chega à rede de ensino após lei criada pelo parlamentar na Câmara Municipal. “Queremos levar essa ação para unidades de ensino municipal e estadual. Como piloto, foi excelente a participação do juiz Marco Aurélio Stradiotto e da Fundação Antônio Antonieta Cintra Gordinho, que abraçou a ideia desde o início”, ressaltou.

Fernando de Souza, gestor da Unidade de Negócios Jurídicos da Prefeitura, se mostrou muito feliz com a realização deste piloto. “Idealizamos trazer para a sala de aula um pouco do que é o Estado, com os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário representados, e atingimos nosso objetivo. Vamos ouvir agora a avaliação dos professores e demais integrantes deste grupo para melhorar ainda mais pensando nos próximos eventos. Que nos próximos anos isso se torne uma grande proposta de cidadania para nossos jovens”.

A professora Aparecida de Fátima Bosco Benevenuto, diretora da escola, aprovou a experiência. “Os alunos já têm contato com a Constituição nas disciplinas aplicadas em sala de aula, mas pensamos que eles poderiam vivenciar mais e ter voz em relação aos direitos e deveres de cada um, dialogando com a família e amigos. Que eles possam ser também representantes dos direitos e deveres destes jovens de Jundiaí”.

Experiência

O estudante Fabrício, de 14 anos, foi enfático. “Achei bem legal, tinha coisas que não sabia e outras que já tinha visto em aula. Tudo o que aprendemos aqui com o juiz Marco Aurélio servirá para nossas vidas”.

Participam ainda do projeto Cidadania Bate à Porta os funcionários da Unidade de Gestão de Negócios Jurídicos e da Fundação Antônio Antonieta Cintra Gordinho; a dirigente regional de ensino, Maria Ludmila Bestetti Catalá Mendes; e com apoio da Unidade de Gestão de Educação, da professora Vasti Ferrari Marques.