Crianças aprendem como eliminar o mosquito Aedes aegypti

Na última segunda-feira (13), alunos do 4º ano da Escola Municipal de Educação Básica (Emeb) Haydée Dumangin Mojola, da Vila Hortolândia, tiveram uma aula diferente. Com atividade específica sobre a dengue e os cuidados necessários para evitar a proliferação da doença e dos mosquitos transmissores, Aedes aegypti, os pequenos vistoriaram ambientes simulando quintais de casas e distribuíram panfletos de orientação para os pais. O tema vem sendo trabalho em conjunto entre as Unidades de Gestão de Educação (UGE) e de Promoção da Saúde (UGPS), anualmente, com o objetivo de difundir os cuidados necessários para a eliminação dos criadouros da dengue com a família.

A fiscal mirim contra o mosquito da dengue, Lorena Buosi, 4 anos, já observa as residências dos parentes para orientar sobre os perigos da doença. “Ela comentou que quer ir à casa de uma tia para falar sobre as garrafas que precisam estar com a boca para baixo e as plantas, que não podem ter os pratinhos de aparar água. As informações que as crianças recebem na escola são mais facilmente assimiladas e são multiplicadas na família”, disse a mãe, a vendedora Denise Lopes Buosi.

Para Raíssa Cristina Nantes Pereira Calegari, mãe de uma aluna da escola, o assunto já faz parte do dia a dia das residências. “A Sophia chega em casa comentando sobre a dengue e até quando o assunto é tratado pela televisão ela comenta. As crianças são ótimas multiplicadoras e informações e os grandes fiscais dos pais”, analisa.

A pequena Sophia Nantes Pereira Calegari, 4 anos, disse que está preparada para atuar como fiscal mirim contra a dengue. “Não pode deixar as garrafas abertas para acumular água, nem a caixa d´água destampada. O lixo também precisa ser fechado para que os mosquitos não botem ovos e criem mais mosquitos ainda. As pessoas ficam muito doentes”, explicou.

A diretora da unidade escolar, Jussara Nascimento de Oliveira, ressaltou que cada professora trata do tema de forma diferente. “Cada turma recebe o assunto com uma abordagem específica, podendo ser por filme ou atividades em sala de aula, sempre de forma lúdica, para que as crianças absorvam o conhecimento naturalmente. A dengue é uma doença perigosa e o combate é simples”, pontuou.

A UGPS mantém a publicação do Boletim Epidemiológico no site da Prefeitura de Jundiaí para a divulgação dos casos. De acordo com dados da Vigilância Epidemiológica, o município registra 1433 casos de dengue, sendo 1352 autóctones, até o dia 10 de maio. A Vila Hortolândia registra 53 casos da doença.