Campanha reforça atendimento à população em situação de rua

A Prefeitura promove durante o mês de abril uma campanha de conscientização sobre as possibilidades de atendimento e encaminhamento à população em situação de rua para além da doação de esmolas e gorjetas. Batizada como “Não dê esmolas. Ajude de verdade”, a campanha joga uma luz sobre a rede estruturada no Município para o atendimento dessa população em situação de vulnerabilidade social, além de promover a conscientização sobre o protocolo correto de encaminhamentos, com base no que preconiza a Política Nacional de Assistência Social.

De acordo com a gestora da Unidade de Gestão de Assistência e Desenvolvimento Social (UGADS), Nádia Taffarello Soares, a motivação da campanha e todo o trabalho da rede socioassistencial visam à construção de um projeto que possibilite a saída das ruas e o resgate da cidadania. “Jundiaí dispõe de uma rede estruturada para essa parcela da população em situação de vulnerabilidade social, a fim de atender e entender quais são as necessidades de cada um, direcioná-los às políticas públicas cabíveis e lhes devolver cidadania. Apesar do conforto provisório, a esmola não ataca as causas do problema e não leva em conta as histórias e motivações de cada um”.

O fluxo de atendimento é pautado no resgate da dignidade das pessoas que sobrevivem no ambiente da rua, sendo o Centro Pop a “porta de entrada” e articulador desta Rede de Assistência, interagindo com as demais Políticas Públicas municipais, como Saúde, Educação, Cultura, Habitação e outras. O atendimento não exige agendamento e oferece acompanhamento técnico com assistentes sociais e psicólogos, apoio para alimentação, higiene pessoal, acesso a documentação e guarda de pertences.

Outra ação do Centro Pop é o recâmbio de pessoas de fora do Município cujas famílias aceitem e se comprometam a receber o indivíduo ou em Município em que o cidadão tenha vínculos. Nessas ocasiões, o Centro Pop entra em contato com o local de origem, viabiliza a passagem, encarrega-se de levar o atendido até o embarque e faz o referenciamento para a rede destinatária.

Somente em 2018, foram realizados no Centro Pop 7.784 atendimentos e 5.422 banhos, além da oferta de 10.463 sopas, como parte do Programa de Suplementação Alimentar (PSA) desenvolvido pela Fundação Municipal de Ação Social (Fumas).

É também a partir do Centro Pop que são feitos os encaminhamentos para o pernoite. “Atualmente, a Prefeitura conta com mais de 100 vagas para pernoites, seja na modalidade república, abrigos ou casa de passagem. A parceria é estabelecida com três instituições, localizadas em diversas regiões do Município, mas sugerimos, entretanto, que a entrada seja feita inicialmente com o Centro Pop, por conta do atendimento lá prestado”, explica a gestora.

A rede também conta o Serviço Especializado de Abordagem Social, que trabalha nos territórios de maiores concentrações de pessoas em situação de rua com a oferta de escuta qualificada, e que possui como premissa a construção de vínculos para adesão aos serviços da Rede Socioassistencial.

Dessa forma, toda vez que um munícipe for abordado por ou identificar uma pessoa em situação de rua, a orientação é que ele dê preferência à orientação de busca de atendimento junto ao Centro Pop, que fica na rua Marechal Deodoro da Fonseca, 504, Centro, e, em caso de dificuldades de estabelecimento de diálogo, acione a Abordagem Social pelo telefone (11) 98531-0146.

Mais serviços da rede
Além do Centro Pop e da Abordagem Social, a rede conta com outros serviços. Por meio da Casa de Passagem são disponibilizados pernoites e possibilita-se a Proteção Social nos casos de desabrigamento temporário, estabelecendo a ressignificação de projetos de vida que incluem o possível acolhimento junto à rede de abrigos e/ou retorno ao seio familiar.

Além disso, a rede dispõe também de três 3 unidades de abrigos (Ctec 1 e 2 e Casa Santa Marta), que são serviços destinados à população em situação de rua para acolhimento de maior duração. O acesso aos abrigos se dá após compartilhamento de casos entre técnicos do Centro POP, abrigos, Casa de Passagem e demais membros da Rede de Proteção Social.

E, por fim, há também a chamada República, que é um serviço que atua na reinserção social junto à comunidade após abrigamento e/ou início da autonomia do atendido. O serviço visa à vivência em coletivo com divisão de parte dos custos da estadia junto ao Poder Público.

A campanha
Ao longo do mês de abril estão programadas as veiculações de depoimentos de pessoas que já estiveram em situação de rua e atestam a ineficácia da doação de esmolas, ante a reinserção nas políticas públicas. Também por meio das redes sociais da Prefeitura, serão feitas publicações sobre a rede voltada a esse atendimento, com dados importantes à população. Também está prevista a distribuição de materiais explicativos em pontos da cidade onde há maior concentração dessa população.

“Os depoimentos se propõem a facilitar o entendimento da população como um todo. Enquanto Poder Público, contamos com a colaboração da sociedade para dar uma nova possibilidade a essa parcela da população”, compartilha a gestora.