Jovem morta pelo ex em CDP estava com medo de fazer visita

A vítima Nicolly Guimarães Sapucci, de 22 anos, que foi morta pelo ex-namorado no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Jundiaí, enviou áudios para uma amiga momentos antes de fazer a visita íntima a Michael Denis Freitas. (Ouça abaixo)

O áudio está com a delegada Renata Yumi Ono, da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM). A mãe da vítima, o diretor do CDP, o agressor e agentes penitenciários já prestaram depoimento.

Em relato, Michael, que cumpre pena por roubo, afirmou que a jovem tinha ciúme de um antigo relacionamento dele, mas a polícia não acredita nessa versão. Ele confessou o crime e foi transferido para uma cela de segurança máxima na penitenciária de Presidente Venceslau.

Em um dos áudios, Nicolly fala sobre comentários que recebeu depois de ter publicado nas redes sociais fotos em que estaria em uma comemoração. Michael teria ficado sabendo dessas fotos e ela estava com medo da reação do ex-namorado.

“Vou ter que ir no CDP, só que agora estou com medo. E se ele tentar me matar lá dentro? Ele é louco. Ele vai vir perguntar, mas ninguém tem prova que a gente ficou. Pode ficar tranquila que eu vou tentar desenrolar, se ele não me matar. Mas você sabe que eu estou indo no CDP, se acontecer qualquer coisa comigo você sabe que foi ele.”

O corpo da jovem foi enterrado no Cemitério Municipal de Bragança, no último dia 29. Ela deixou um filho de 4 anos.

A DDM aguarda laudos do Instituto Médico Legal (IML) e do Instituto de Criminalística para finalizar o inquérito.

A Polícia Civil também investiga o compartilhamento de fotos do corpo de Nicolly em aplicativos de mensagens, que causou revolta na família da vítima.

A pena prevista para o crime de vilipêndio de cadáver, que é a exposição das imagens, é de prisão de um a três anos, além de multa.