CRUELDADE: Bandidos tentam afogar vítima durante roubo

Uma aposentada de 63 anos passou várias horas sob tortura de criminosos que invadiram a sua casa, na divisa de Jundiaí com Louveira, na região do bairro do Corrupira. Os bandidos chegaram a dar coronhadas na cabeça da vítima, levaram ela para um matagal e depois a colocaram em um lago, afundando a cabeça dela por várias vezes nas águas, porque queriam dinheiro.

O delegado Felipe Carbonari, que acabou de assumir o Plantão Policial de Jundiaí, determinou a elaboração de boletim de ocorrência e início dos trabalhos pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG) para tentar localizar os marginais.

A vítima relatou que estava sozinha em sua residência, que fica no município de Louveira, quando ouviu um barulho na porta. Ela se levantou e pode observar que havia um indivíduo armado tentando entrar.

Enquanto fazia ligações para pedir ajuda à Polícia Militar, quatro indivíduos invadiram o imóvel e a renderam.

Os marginais a amarraram e passaram a vasculhar a residência à procura de dinheiro. A vítima esclarece que os meliantes a todo tempo perguntavam se havia cofre na casa.

Como não encontraram nada, resolveram levá-la junto com eles para um matagal no bairro do Corrupira, em Jundiaí. Eles pegaram o carro da mulher, um HRV e dois saíram com o veículo e dois ficaram com ela no matagal.

Depois de algum tempo a dupla passou a torturar a vítima. A mulher levou coronhadas na cabeça e depois teve de entrar no lago, onde afundaram por diversas vezes a sua cabeça tentando afogá-la. Diziam que iriam matá-la alí mesmo, se não falasse onde tinha dinheiro.

Após algum tempo os outros dois assaltantes voltaram acompanhados de um quinto meliante e novamente exigiu dinheiro para libertá-la.

Ao perceberem que a mulher não tinha dinheiro mesmo, resolveram abandoná-la no local. A vítima conseguiu se soltar e pedir ajuda no bairro do Corrupira, sendo acionada uma viatura da Polícia Militar.

A vítima ficou em estado de choque.

Família ajudou a vítima

A leitora Mariane relata como socorreu a vítima: “Por volta das 1:20 da madrugada, meu irmão, meu namorado e eu (que estávamos dormindo) acordamos com um choro, pedidos de socorro de uma mulher e minha cachorra que não parava de latir no portão. Resolvemos ir olhar e nos deparamos com a cena de uma senhora de pijamas, descalça e toda molhada que chorava e pedia pra pelo amor de Deus ajuda- lá.
Quando vimos que ela estava realmente só, abrimos o portão e ela nos contou que morava em Louveira e que assaltantes haviam invadido sua residência, roubado e sequestrado ela. Liguei pra PM e me disseram que iriam encaminhar uma viatura para minha casa, para checar a história. Eu ouvi por uns 30 minutos ela contando aos prantos toda a tortura que passou, o que diziam pra ela, como bateram nela e como tentaram afoga- la. Apesar de dizermos que agora estava tudo bem e que ela estava a salvo, ela não conseguia se acalmar (eu não a julgo, nem me imagino vivendo um pesadelo deste). Depois de um tempinho ela começou a brincar com meus cães e fez carinho neles. A viatura chegou, fizeram algumas perguntas a levaram embora. Não consegui pregar o olho o resto da noite, a imagem do desespero estampado no rosto dela, parada em frente ao meu portão, nunca vai sair da minha cabeça.”

Arma em bebê

Em outro roubo no bairro do Corrupira, três homens encapuzados invadiram residência e renderam uma mulher que estava assistindo a TV. O marido que estava no andar superior ouviu os gritos da esposa e desceu correndo. Os marginais fizeram várias ameaças e ainda colocaram revólver na cabeça do bebê da família, ameaçando de morte.

Fogo nas vítimas

Na tarde de quarta-feira (16) uma quadrilha invadiu a casa lotérica do bairro da Agapeama, em Jundiaí. Os marginais jogaram gasolina após o assalto no setor dos caixas, com as funcionárias enclausuradas. Uma delas sofreu queimaduras e foi socorrida ao Hospital Paulo Sacramento.