Cidades do ABC aumentam tarifa dos ônibus

A Virada do Ano também é época de aumento nas tarifas dos ônibus urbanos. Em Jundiaí a Prefeitura não autorizou reajuste. Mas nas cidades do ABC os preços subiram 6% em média e a tendência é que outras cidades sigam essa média para bancar os custos do óleo diesel, salários e peças.

Diadema anunciou reajuste para de R$ 4,40 para R$ 4,65 a partir de 6 de janeiro.

Em São Bernardo e Santo André vai de R$ 4,40 para R$ 4,75.

Em Santo André, como ocorre com Jundiaí, a Prefeitura banca o subsídio pagando uma parte da diferença da tarifa considerada a real, que seria de R$ 6,00. São R$ 60 milhões destinados para custear o transporte coletivo.

Em São Paulo a Prefeitura banca 2 bilhões, sendo que a tarifa real é de R$ 7,24 e o usuário paga uma parte, que é de R$ 4,30 na catraca.

Campinas

Em Campinas a Prefeitura anunciou o fim do dinheiro nos ônibus, como ocorreu em Jundiaí.

A cobrança também será igual a Jundiaí com cartões de crédito, débito, Bilhete Único, cartão de aproximação e o QR-Code.

A medida vale a partir de 19 de janeiro para todas as linhas urbanas.

Hora de Reflexão

O presidente da Agência Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), Aílton Brasiliense Pires, propõe aos prefeitos reflexão neste momento da chamada “4ª Revolução Industrial”. Ele disse que há novas parafernálias tecnológicas disponíveis com aplicativos e ônibus cheios de recursos. Mas o que os usuários querem é regularidade dos intervalos das linhas, ônibus no horário e investimentos em corredores. Hoje os ônibus não têm prioridade em relação aos carros de passeio e ficam presos em congestionamentos, em muitas cidades do País.