Atirador fez ação premeditada em Campinas

O delegado do 1º Distrito Policial de Campinas, Hamilton Caviola, informa que o atirador que matou várias pessoas na Catedral Metropolitana da cidade agiu de forma premeditada. O delegado disse que viu as imagens das câmeras de monitoramento da igreja onde mostram o homem sentando nos fundos e analisando o ambiente.

Depois de algum tempo ele se levantou e passou a disparar contra os fiéis que estavam na Catedral com uma pistola .9 mm e um revólver calibre .38mm. O atirador que estava sem documentos tinha ainda dois carregadores.

Foram mortas no local, pelo atirador, quatro pessoas, sendo três homens e uma mulher. Dois policiais militares que estavam do lado de fora da igreja ouviram os disparos e correram para a igreja. Um deles acertou tiro na perna do atirador, que se matou em seguida. Do contrário, segundo o delegado, “o número de mortos poderia ter sido maior, porque o atirador estava preparado para descarregar as armas”.

Segundo o delegado as imagens das câmeras mostram em seguida uma correria para fora da igreja. Os policiais iniciaram os atendimentos aos demais feridos e acionaram outras equipes de apoio.

O delegado Caviola disse que agora haverá um trabalho de perícia técnica dentro da igreja. Depois os corpos serão liberados para encaminhamento ao Instituto Médico Legal (IML) de Campinas, para identificação dos que não tiverem documentos.

Foram removidos vários fiéis aos hospitais da Unicamp, Mário Gatti e Beneficência Portuguesa.

Perfil do atirador

Segundo o delegado Hamilton Caviola, o atirador é Euler Fernando Grandolpho, morador na cidade de Valinhos e que já trabalho para o Ministério Público, sendo exonerado dos serviços.