Quantidade de escorpiões na Vila Municipal assusta

Um total de 76 escorpiões. Esse foi o total de animais que três moradores da Vila Municipal conseguiram matar nos últimos meses. O leitor Alex Miranda mora atrás do cemitério Nossa Senhora do Montenegro e somente na casa dele, rua Herinque Olaf Hedman, nas últimas semanas foram encontrados 12 escorpiões pequenos e outros 4 grandes.

Ele chegou a colocar telas nos portões para tentar evitar a entrada desses animais na casa dele, mas nem isso afasta os escorpiões. “Não tem mais oque fazer. Jogamos venenos na nossa calçada todos os dias ,fechamos nosso portão com tela de mosquiteiros e mesmo assim continua, está uma epidemia.”

Alex contou ainda que uma vizinha foi picada mês passado e que o problema no bairro está insuportável. “Já entrei em contato com a prefeitura e com a Zoonoses, mas não resolve”, disse.

escorpiões

Já o leitor William Campos fotografou dois escorpiões na rua Prudente de Moraes na última terça-feira.

Mais escorpiões
A leitora Viviane Silva enviou fotos de escorpiões, aranhas e ratos que estão sendo encontrados na casa dela, na rua Nevio Borgonovi, no Jardim Pacaembu. Ela alega que há uma casa abandonada na rua há um ano e que já tentaram vários contatos com os donos para pedirem a limpeza do local mas o problema persiste.

escorpião

Sobre esse problema, a Unidade de Gestão de Planejamento Urbano e Meio Ambiente (UGPUMA) informa que a equipe notificou o proprietário sobre a necessidade de limpeza. O prazo legal para que o proprietário entre com recurso é de 10 dias. Por se tratar de situação de saúde pública, após decorrido o período, o serviço deve ser executado imediatamente pelo dono do espaço.

Monitoramento
Em nota, o Serviço Funerário Municipal de Jundiaí informa que tem acompanhado e monitorado a situação do Cemitério Nossa Senhora do Desterro e que tem tomado providências para controlar a proliferação da espécie dentro da necrópole, especialmente com a aproximação dos meses mais quentes do ano.

A prefeitura informou ainda que durante os meses de outubro e novembro, uma equipe do SFM fez uma série de inspeções noturnas por conta do hábito do animal, que costuma deixar seu abrigo à noite em busca de alimentos. Tais inspeções também são feitas no período noturno para que, com o auxílio de uma pinça e uma lanterna com luz ultravioleta, os escorpiões sejam mais facilmente encontrados e capturados. Todos os exemplares localizados são encaminhados à UVZ para posterior envio ao Instituto Butantan, para produção de soro antiescorpiônico.

“Além das capturas, também foi intensificada a desinsetização do espaço com aplicações extras (normalmente, realizadas bimestralmente) de veneno indicado para animais sinantrópicos (como baratas, ratos, e, dentre outros, o escorpião). Para ampliar o potencial letal do produto, também já está sendo providenciada uma licitação específica para aplicação regular de veneno contra escorpiões. As equipes do SFM também têm realizado acompanhamento constante para localização de calçadas quebradas e a retirada de materiais encostados em muros, como madeiras e ferramentas, que possam proporcionar abrigo para tais bichos. Uma comissão também está concluindo o trabalho de identificação das sepulturas abandonadas ou em ruínas (locais que podem servir de abrigo para escorpiões), para notificação dos concessionários sobre a necessidade de reformar os jazigos, sob pena da perda da concessão”, diz a nota.

Já a Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ) alerta a população para a necessidade de eliminar qualquer material que possa servir de abrigo e ponto de reprodução dos escorpiões, principalmente entulho e restos de materiais de construção que possam estar nos quintais das residências. “No interior do imóvel é necessário o uso de tampas ou sistema abre-fecha nos ralos, os mantendo fechados no período fora de uso. A colocação de anteparos na parte inferior das portas, telas nas janelas e canos de escoamento das águas de chuva; fechamento dos vãos e frestas também são ações necessárias para evitar a entrada indesejada”, diz o setor.

Em caso de acidente, a orientação é procurar atendimento médico imediatamente. A Prefeitura de Jundiaí, desde o mês de outubro, tem intensificado a limpeza de terrenos públicos.

A Vigilância Epidemiológica informa que em caso de picada por escorpião a pessoa deve ser encaminhada imediatamente para um hospital. O tempo é fundamental para o melhor prognóstico. Vale lembrar que nem todos os casos necessitam da administração do soro. A determinação é feita pela equipe médica. Em Jundiaí, o hospital responsável pela administração do estoque do soro é o Hospital São Vicente de Paulo.