FUMAS e CDHU fazem acordos de dívidas

O Núcleo de Atendimento Habitacional do CDHU de Campinas esteve sábado (13) na sede da Fundação Municipal de Ação Social (FUMAS) para receber mutuários dos empreendimentos instalados em Jundiaí. O objetivo do plantão, realizado também nas demais cidades do estado de São Paulo onde existem empreendimentos do CDHU instalados, é diminuir a inadimplência nas parcelas dos financiamentos.

Jundiaí é a terceira cidade da regional de Campinas a receber o plantão. “Também já oferecemos essa oportunidade em Campinas e em Itatiba e muita gente aproveita para acertar as parcelas”, destaca Leobino Gomes de Souza Neto, líder do Núcleo da Regional de Campinas. Antes do plantão, as equipes do CDHU visitam os empreendimentos e fazem um primeiro contato com os mutuários que possuem acima de três parcelas em atraso. A estas pessoas, está sendo oferecida a possibilidade de incorporar a dívida às demais parcelas pendentes, desde que o mutuário realize o pagamento de um valor inicial.

“Para aderir ao acordo, o mutuário precisa realizar o pagamento de 5% do total das parcelas em atraso. As demais são divididas pelo número de parcelas restantes em aberto”, antecipa Souza Neto. “Mas se o valor estipulado para a entrada ficar abaixo do valor da parcela, o mutuário tem que pagar o valor de uma parcela para ter direito a dividir o restante da dívida”, acrescenta.
Somados, os empreendimentos do CDHU instalados em Jundiaí ultrapassam 4 mil mutuários.

“Esta é uma boa oportunidade para acertar o débito com o financiamento”, destaca Leopoldo Brunelli, superintendente adjunto de Políticas Habitacionais da FUMAS. “Como as parcelas em atraso são redistribuídas para as parcelas futuras, o mutuário ganha um fôlego para voltar a ser adimplente”.

Regularização

Trabalhador do ramo de transportes, Jamil Dias de Andrade, de 64 anos, foi um dos primeiros a serem atendidos no plantão. Ele conta que ficou inadimplente no pagamento das parcelas do apartamento onde mora com a mulher e um filho, no Morada das Vinhas, por conta de problemas de saúde da esposa. “Gastamos muito e a situação ficou complicada. Com as condições especiais oferecidas aqui, espero regularizar a minha situação”, contou.