Coleta Seletiva tem alta em Jundiaí neste ano

Segundo dados da Unidade de Gestão de Infraestrutura e Serviços Públicos (UGISP), a coletiva seletiva registrou aumento de cerca de 10% nas médias de resíduos coletados este ano em Jundiaí, na comparação com as do ano passado. Em 2017, a média mensal foi de 650 toneladas de recicláveis, ante média de 700 toneladas este ano. Todo o material coletado é levado para o Centro de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Geresol).

O diretor de Limpeza Pública, Márcio Moraes, explica que o volume coletado está ligado diretamente à economia em geral e ao consumo das famílias. “Nos picos de consumo, registrados nos meses de dezembro e janeiro, há um aumento substancial na coleta”, aponta.

Os dados de Jundiaí são positivos, especialmente se comparados ao cenário nacional. Segundo um recente estudo da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, a coleta seletiva em Municípios brasileiros não avançou nos últimos tempos. Em 2016, segundo o estudo, em 1.692 cidades do país não havia sequer uma iniciativa nessa área. Já em 2017, esse número caiu para 1.647. Mas, na região Centro-Oeste, por exemplo, a maior parte das cidades (55,2%) não tem nenhum tipo de seletiva.

“O sistema contempla 100% da cidade. A coleta acontece duas vezes por semana em cada bairro, através de um caminhão baú, que encaminha tudo para o Geresol. O cronograma pode ser conferido no site da Prefeitura”, detalha o diretor.