Prefeitura afasta professor que teve ‘surto’ em sala de aula

A Prefeitura de Jundiaí afastou, nesta sexta-feira, dia 23, um professor de Inglês concursado que teve surto em sala de aula na Escola Pedro Clarismundo Fornari, no bairro do Rio Acima.

O professor agrediu alunos e a Guarda Municipal foi chamada pela direção. O caso foi encaminhado para o 2º Distrito Policial.

O professor havia sido contratado passando por todas as fases rigorosas de seleção e mesmo assim surpreendeu a diretoria da pasta pelo comportamento.

A gestora de Educação, Vastí Ferreira, determinou o afastamento imediato do professor, que era substituto. Ele não poderá mais exercer as atividades que vinha realizando.

Mães revoltadas

As mães dos alunos agredidos foram até o 2º Distrito Policial de Jundiaí para prestar queixa contra o professor.

Uma delas disse que vai processar o professor.

Outra mãe ficou revoltada e mostrou fotos com as lesões que o filho sofreu no pescoço e braço. Ela contou que o professor ainda proferiu palavras de baixo calão contra os alunos, que estavam assustados.

A Prefeitura de Jundiaí condenou os atos praticados pelo professor e emitiu uma nota de esclarecimento:

Nota da Prefeitura

“A Unidade de Gestão de Educação informa que todas as providências foram tomadas de imediato, com atendimento aos alunos e familiares, além do acionamento à Guarda Municipal e à Polícia Militar.

O professor estava na unidade escolar substituindo, nesta sexta-feira (23), o docente titular. Em razão do ocorrido, ele foi afastado de suas funções e todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas.

A Unidade de Gestão de Educação acrescenta que foi encaminhada uma psicóloga para a escola e, a partir de segunda-feira (26), será disponibilizado apoio psicológico para os familiares. A equipe escolar também receberá orientações da profissional para assistência aos alunos.”

“Acidente”

O professor disse na ATA da Escola, que estava dando aulas e pediu silêncio para a classe, o que não foi atendido. Um dos alunos bateu sem querer e o agarrou para o menino não cair no chão. Depois outro garoto não queria se sentar na sala de aulas e o pegou e colocou na cadeira. Ele negou as agressões.

Os pais foram orientados a levar os filhos na segunda-feira para realização de exame de corpo de delito.