Jundiaí terá uma noite de boxe no Bolão

O Bolão, maior palco do esporte jundiaiense, vai viver uma noitada de boxe no próximo 7 de abril com a disputa de dois títulos, um nacional e outro internacional, e a promessa de muita adrenalina. Ao todo serão sete confrontos com início às 17 horas e a última luta prevista para as 21 horas.

No principal duelo da noite, Patrick Teixeira, de Santana do Parnaíba, enfrenta Davi ‘El Loco’ Eliasquevici, de Santa Catarina, valendo o título latino americano dos supermeio-médios pela Organização Mundial de Boxe (OMB). Um pouco antes, a jundiaiense Táynna Cardoso disputa o título brasileiro dos pesos pena contra Simone Duarte, da Baixada Santista.

Patrick Teixeira tem 28 anos, nasceu em Santa Catarina, mas vive em Santana de Parnaíba desde os 15. Virou profissional aos 18 e tem uma trajetória impressionante, com 28 lutas e 27 vitórias. Apenas uma derrota. “Sou muito focado no trabalho. Treino forte e os resultados estão aparecendo”, conta.

Com tantas vitórias, coleciona títulos, como o de campeão latino-americano dos meio-médios, em 2014, título conquistado em Jundiaí, campeão intercontinental, no México, e campeão do Fedecentro, em São Paulo, todos na mesma categoria. Chegou a ser o 11º da categoria no ranking mundial.

Por ser de uma cidade próxima a Jundiaí, espera contar com o apoio da torcida local. “Acho que vou me sentir em casa, porque já lutei na cidade, sou da região e gosto de Jundiaí. Tenho certeza que a torcida vai se animar com o espetáculo.”

Essa também é a garantia de Davi Eliasquevici, de 28 anos, natural de Americana e que atualmente vive em Florianópolis, Santa Catarina. O apelido de “El Loco” não é por acaso. “Comigo é ganhar ou perder no nocaute. Coloco o coração de leão ali dentro. Não tem essa de ficar esperando não.”

Os números confirmam isso. De suas 14 vitórias, 11 foram por nocaute. “El Loco” coleciona os títulos brasileiro e sul-americano dos supermeio-médios. “Entro para decidir. Tomo a iniciativa mesmo. Ganhei esse apelido do meu treinador, Kelson Pinto, justamente por isso. Sou um cara agressivo no ringue.”

O estilo, porém, também já lhe custou quatro derrotas e um empate. Mas nada disso o assusta, nem mesmo o fato de Patrick estar mais próximo de casa. “Sei que eu sou o cara de fora neste combate e sei também que isso pode interferir na decisão dos juízes. Então, não quero dar margem para erros. Além disso, conheço o Patrick. Ele trabalha bem na longa e na média distância, mas minha mão entrando posso definir a luta.”

Título brasileiro feminino

Táynna Taygma Santos de Cardoso é nascida em Belém (PA) e iniciou a carreira aos 15 anos. Atualmente, compete pelo Nacional, de Jundiaí, e é treinada por seu pai, Luís Cardoso. Com mais de 200 combates amadores (e apenas 15 derrotas), Táynna, de 29 anos, resolveu só agora iniciar a trajetória profissional. Mas pela experiência nos ringues, vai logo de cara se aventurar ao título brasileiro pelo Conselho Nacional de Boxe, órgão que representa o OMB no Brasil. O título está vaga e a desafiante escolhida para o combate, Simone Duarte, de 34 anos, tem também um vasto currículo, inclusive como profissional.

Táynna é a atleta que mais conquistou títulos brasileiros. Foi campeã paraense em 2005 e veio para São Paulo em 2006. Chegou em Jundiaí em 2009. Desde a chegada a São Paulo coleciona títulos como campeã paulista e brasileira em 2005 e de 2007 a 2016 consecutivamente, nas mais variadas categorias (51 kg, 54 kg, 57 kg e 60 kg). Traz ainda na bagagem uma medalha de bronze no evento teste para os Jogos Olímpicos do Rio-2016. Internacionalmente, foi campeã “Los Centuries Montana”, na França, em 2014 e 2017, e do Torneio Brasil x Canadá, no Canadá, em 2017.

“Chegou a hora de tentar uma luta profissional e, como o título está vago, resolvi disputar o cinturão brasileiro”, explica Táynna. “Enfrentar a Simone vai ser excelente, porque é lutadora experiente e muito dura. Tenho certeza que será um grande espetáculo para o jundiaiense, que poderá ver uma luta de boxe de alto nível.”

E as qualidades de Simone confirmam a expectativa de Táynna. Simone, nascida em São Paulo, já tem 26 lutas como profissional com 15 vitórias. Foi campeã sul-americana em 2010, em São Paulo, campeã internacional em 2013, na África do Sul, e campeã mundial em 2016, na Alemanha.

“Conheço a Táynna desde novinha e ela me conhece. Uma respeita a outra, mas lá em cima, cada uma vai querer fazer o seu melhor e levar o título”, avisa Simone, “Tenho muitos títulos internacionais, mas falta um título brasileiro e é isso que vou buscar neste combate.”

Outros combates

A partir das 17 horas, o torcedor poderá acompanhar grandes duelos no ginásio do Bolão. Confira a programação completa: Supergalo – Hugo Paiva da Silva x Tiago Vieira Saraiva; Médio – Lucas Veloso Araujo x Janio Carvalho Santos; Superpena – Helio Florentino Moura Junior x Wendel Rafael da Costa Santos; Supermédio – Rogério Pereira x Jonathan Santos de Souza; Superpena – Agnaldo Nunes Magalhães x Lucas de Oliveira da Silva; Pena – Táynna Cardoso x Simone Duarte; Supermeio-médio – Patrick Teixeira x Davi Eliasquevici.

Ingressos

Os ingressos podem ser adquiridos antecipadamente em vários pontos espalhados pela cidade e região. O valor é R$ 60 para arquibancada (estudantes, portadores de deficiência, idosos e as pessoas que levarem um quilo de alimento não-perecível pagam meia-entrada a R$ 30); R$ 70 para cadeiras (meia-entrada a R$ 35) e R$ 100 para área vip, dentro da quadra (meia-entrada a R$ 50).

Confira os postos de venda: Jundiaí – Centro de Lutas Academia Jr, Droga Centro, Frank Multimarcas, Galheta Jundiaí, Lojas Barrage Centro e Maxi Shopping, MMA House e Perfeita Forma; Campo Limpo Paulista – Galheta e Morbidelli; Franco da Rocha – Rodrigo Breves.