Prefeitura divulga nota de esclarecimento aos servidores

Diante dos protestos realizados por grupos de servidores públicos e, da manifestação anunciada para a noite desta terça-feira (15), às 19 horas, na Câmara Municipal de Jundiaí, a Prefeitura da cidade emitiu um comunicado esclarecendo as condições de reajuste nos salários dos trabalhadores.

Veja a nota:

“A Prefeitura de Jundiaí informa que a proposta de aumento de 6% nos salários dos servidores municipais corresponde à reposição da inflação medida pelo INPC, acumulada nos dois últimos anos (até março, 5,5 %), mais ganho real de 0,5%. Esse compromisso de reposição foi estabelecido no ano passado pela administração  junto ao SindSerJun.

Além de um ganho real de 0,5% nos salários, o vale-alimentação pago para todos os servidores em atividade deverá ser reajustado em 10% (de R$ 577,41 para R$ 635,15), com o valor do adicional pago em novembro subindo de R$ 437,44 para R$ 481,18. O vale-alimentação assegura atualização do poder de compra para os que ganham menos.

É fundamental destacar que a negociação foi realizada observadas a capacidade de arrecadação da Prefeitura, o comportamento da economia e embasada pelo princípio da gestão fiscal responsável, que é uma das bandeiras desta administração. Afinal, como já sabido, a situação de descontrole fiscal deixada pela gestão anterior colocou em risco o compromisso de pagar a folha de pagamento e todas as demais obrigações legais com os servidores em dia.

Cabe destacar ainda que a administração mantém o diálogo aberto com os servidores municipais. Ainda nesta segunda-feira (14), representantes do executivo se reuniram com uma comissão formada por servidores e diretores do SindSerJun e do SinDae e esclareceram, novamente, sobre os estudos orçamentários que demonstram a capacidade do reajuste proposto, de modo a não comprometer o planejamento financeiro do município.

Dito isso, a gestão reitera sua posição de respeito à livre manifestação daqueles que não concordam com a proposta, mas entende que as decisões precisam ser analisadas à luz da realidade da municipalidade e do País, e no limite da responsabilidade para que não sejam prejudiciais à prestação dos serviços públicos, muitos deles essenciais para os moradores da cidade de Jundiaí.”