Demitidos da Sifco reivindicam indenizações

O Sindicato dos Metalúrgicos e os trabalhadores demitidos da Sifco (atual SJT Forjaria/Dana) continuam reivindicando o pagamento da multa de 40% do FGTS, que deveria ter sido quitada em dezembro. Na última segunda-feira (16), o grupo de demitidos ocupou o auditório do Sindicato para uma reunião com representantes da entidade.

A maior parte dos demitidos da Sifco é formada por trabalhadores que foram reabilitados ou que estão com doenças ocupacionais. O advogado do Sindicato, Valtencir Piccolo Sombini, afirma que a entidade continua buscando alternativas amigáveis para solucionar o impasse, mas também está peticionando no processo de recuperação judicial neste sentido. “Infelizmente, a Sifco não cumpriu o acordo. Agora, estamos pressionando por meio da recuperação judicial para quitar essa multa. Estamos tentando novamente, através do aluguel que é pago pela DANA à SIFCO, conseguir a quitação desse saldo da multa do FGTS, “, afirma Sombini.

O advogado informou que apenas cerca de 10% do saldo da multa foi pago aos demitidos em dezembro/2017. “O valor deveria ter sido pago integralmente pela SIFCO em dezembro, mas foi pago apenas de forma parcial, ao invés dos 40%”, informou.

O diretor sindical, Natanael Onofre Matias, o Caé, informou que representantes do Sindicato irão até o Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, para reivindicar mais atenção ao caso. “Sabemos da lentidão da Justiça, mas esses companheiros não podem esperar mais. Estaremos no STJ pedindo agilidade no julgamento do processo, que poderá resultar na reintegração dos demitidos da SIFCO pela DANA”, disse Caé

Compra de ativos e verbas rescisórias

Na compra dos ativos da Sifco pela Dana Holding Corporation, 80% dos funcionários foram transferidos para a DANA. Os 20% dos funcionários que permaneceram na Sifco, deveriam continuar empregados, recebendo salários, fazendo cursos de aperfeiçoamento e sendo respeitada a estabilidade dos mesmos. Ao invés disso, a Sifco demitiu e propôs o parcelamento das verbas rescisórias. A conduta da empresa foi criticada pelos trabalhadores demitidos e sindicalistas.

Após um longo período de mobilizações e negociações apoiadas pelo Sindicato, os trabalhadores demitidos da Sifco receberam as verbas rescisórias em junho passado.

Paralelo a isso, há uma ação civil pública em andamento, que pode resultar na reintegração dos demitidos pela DANA. A ação está em tramite na 4ª Vara do Trabalho de Jundiaí, sendo que foi concedida liminar de reintegração, por ora suspensa por outra liminar concedida pelo Superior Tribunal de Justiça.