Morre a atriz Eva Todor

A atriz Eva Fódor Nolding, conhecida como Eva Todor, morreu, na manhã deste domingo, em casa, no Rio de Janeiro, em decorrência de uma pneumonia. Com 98 anos, ela sofria de Mal de Parkinson e Alzheimer, além de problemas cardíacos.

Brejeira e bem-humorada, a húngara de nascimento, Eva Todor, foi um dos grandes nomes da TV, do cinema e do teatro nacional. Estreou na Globo como Kiki Blanche, em “Locomotivas” (1977), de Cassiano Gabus Mendes, primeira novela colorida no horário das 19h. E não parou mais, sempre atuando com o que chamava de “gênero Eva”, um humor fino que virou sua marca registrada. Ao longo dos mais de 80 anos de carreira, acumulou personagens marcantes, tendo participado das novelas “Coração Alado” (1980) e “Sétimo Sentido” (1982), ambas de Janete Clair. Com Aguinaldo Silva fez “O Outro” (1987) e “Suave Veneno” (1999). Trabalhou em “Top Model” (1989), de Walther Negrão e Antônio Calmon; “O Cravo e Rosa” (2000), de Walcyr Carrasco e Mario Teixeira; em “América” (2005) e “Caminho das Índias” (2009), de Gloria Perez.  Em 2010, fez uma participação especial em “Ti Ti Ti”, de Maria Adelaide Amaral. Também atuou em minisséries e especiais, como “Brava Gente”, “Você Decide”, “Malhação”, “Hilda Furacão”; “Sob Nova Direção”, “A Diarista” e “Casos e Acasos”.

Nascida em 9 de novembro de 1919, na Hungria, veio com a família para Brasil para fugir da Europa pós-guerra. Por aqui, aos nove anos já havia se apresentado em espetáculos de dança solo no Theatro Municipal de São Paulo. O teatro chegou a sua vida nos anos 30, a partir de um convite de Mário Nunes, crítico do Jornal do Brasil, para atuar em uma peça com Dulcina de Moraes. Ela não foi aprovada. Mas Mário a convidou para fazer teatro de revista no Teatro Recreio. Com o sucesso, acabou convidada para seu primeiro longa-metragem, em 1960, “Os Dois Ladrões”, de Carlos Manga, quando atuou ao lado de Oscarito. No ano seguinte, estreou na televisão, contratada pela TV Tupi para estrelar “As Aventuras de Eva” e para participar de “E Nós, Aonde Vamos?”, última novela da autora cubana Glória Magadan escrita no Brasil, em 1970. Fez alguns papéis dramáticos, como em “De Olho na Amélia”, de Georges Feydeau, que lhe valeu o Prêmio Molière de melhor atriz, em 1969.

Sua última aparição na TV foi em 2012, repetindo a parceria com Glória Perez, em “Salve Jorge”, interpretando Dália. No mesmo ano, fez uma participação especial em “As Brasileiras”.

Eva Todor era viúva e não deixa filhos.