Prefeitura de Jundiaí quita dívidas da Saúde

Em janeiro de 2017, a Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) acumulava dívidas herdadas do ano anterior no valor de R$ 22 milhões. Em apenas 150 dias, a administração quitou todos os débitos com fornecedores de remédios, insumos, prestadores de serviço de limpeza entre outros, desta forma conseguindo equilibrar as contas e manter o atendimento para a população e os pagamentos em dia. O resultado foi possível com o controle austero das contas, economia em processos – realizados em toda a administração municipal – e melhor negociação com fornecedores.

A organização das contas também foi o objetivo do Comitê de Crise, instalado no Hospital São Vicente de Paulo (HSVP). A entidade acumulava dívidas de R$ 261 milhões, entre débitos trabalhistas, fiscais e empréstimos bancários. Com o contingenciamento de gastos, organização de processos e redução de custos, foi possível parcelar débitos e dar início a processo de equilíbrio financeiro.

Em janeiro, o custo operacional por paciente era de R$ 8.811. Já em abril, após as primeiras medidas, o valor baixou para R$ 7.111 por paciente. A economia também foi favorecida pelo aumento de 4% na produtividade.

Relatório de auditoria realizada pela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) no HSVP, contratada pela UGPS, aponta a necessidade de ações de contingenciamento de gastos e informatização dos sistemas para fornecimento de relatórios sobre as finanças da instituição. O resultado norteia ações que já estão sendo tomadas pela gestão para mudar quadro deficitário da instituição.

De acordo com o Hospital São Vicente de Paulo, com as mudanças planejadas o Pronto Atendimento (PA) deverá ser ampliado, agilizando as consultas à população.