Prefeitura retoma tratativas pela revitalização do Complexo Fepasa

Em reunião para tratar da retomada dos planos de revitalização do Complexo Fepasa, o prefeito Luiz Fernando Machado recebeu, na terça-feira (1) o arquiteto Pedro Taddei Neto, que, em 2002, trabalhou pelo tombamento do espaço e, nos anos seguintes, elaborou os planos de recuperação e manutenção do mesmo.

Taddei enfatizou que há um projeto executivo já com aprovação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que contempla a realização de intervenções de recuperação externa, que são obras de pavimentação, drenagem, eletricidade, acessibilidade, adequação da transposição da ferrovia, paisagismo, consertos nos telhados, fechamento das janelas quebradas, contenção de infiltrações, e implantação de sistemas de combate a incêndio. “Enfatizo as necessidades institucionalizarmos as intenções para a retomada do projeto e de a Unidade de Cultura definir quais são as destinações que ela entende para o espaço, a fim de alinharmos essa nova perspectiva com o Iphan.”

Vasti explicou que a Cultura já tem elaborado um plano de ocupação e elencou os avanços que a transferência da Unidade para o novo espaço. “Com recursos da Unidade, retiramos do Complexo cerca de 50 caminhões de entulho, trocamos a caixa d’água, eliminamos todos os focos de dengue e de outros vetores de doenças, como roedores e pombos, restauramos a Sala 1, que era a biblioteca do Complexo, refizemos parte do piso com atenção às características originais e contamos com a colaboração dos eletricistas da Prefeitura para fazer as adequações de segurança das instalações. E o Iphan já sinalizou sua satisfação com a nossa ocupação, pois traz nova vida ao espaço e contém a degradação.”

A gestora de Cultura também acrescentou que “os orçamentos iniciais para os ajustes mais necessários são da ordem de R$ 1 milhão. Já em relação aos planos aprovados, precisamos somente adequar ao número crescente de artistas na cidade, uma vez que o cenário cultural da cidade expandiu. Por exemplo, já montamos no Complexo até um novo espaço para espetáculos: a Sala Jundiaí, além de precisarmos abrigar as nossas companhias estáveis”.

A Unidade de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia sinalizou como possibilidades para vinda de aporte as leis e os programas federais e estaduais que disponibilizam recursos para a realização de projetos artístico-culturais e parcerias com a iniciativa privada.

Já Planejamento Urbano e Meio Ambiente acenou como outra possibilidade a segmentação das propostas de ocupação e recuperação do Complexo, a fim de otimizar a visibilidade do projeto e atrair uma multiplicidade de parceiros interessados.

Atualmente, o Complexo Fepasa abriga a Casa da Cultura Ariano Suassuna da Unidade de Gestão de Cultura, o Museu da Cia. Paulista, o serviço de Cadastro Único da Unidade de Gestão de Assistência e Desenvolvimento Social (UGADS), serviços da Unidade de Gestão de Mobilidade e Transporte, a sede da Guarda Municipal, a Fundação Municipal de Ação Social (Fumas), o Poupatempo, a Fatec e o Centro de Educação e Lazer para Melhor Idade (Celmi).

Também participaram do encontro os gestores de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Messias Mercadante; da Casa Civil, Gustavo Maryssael de Campos; de Governo e Finanças, José Antônio Parimoschi; e de Planejamento Urbano e Meio Ambiente, Sinésio Scarabello Filho; além da diretora de Gestão do Complexo Fepasa, Adriana Faccioni; e do diretor Fomento à Indústria, Gilson Pichioli.