Fepasa tem 15 pontos de descarte irregular de lixo e entulho

Melhorar a qualidade de vida da população é o objetivo de ação iniciada a partir de vistoria feita nesta quarta-feira (5) no Jardim Fepasa. Equipes de várias plataformas da Prefeitura de Jundiaí percorreram ruas do bairro para identificar as necessidades do local e delinear as ações para a solução. Além da identificação e limpeza de áreas com descarte clandestino de entulho e lixo, revitalização de praça e a oferta de oficinais educacionais como extensão do Centro de Referência e Assistência Social (Cras) Central no bairro são ações previstas para a valorização do local. Participaram da vistoria as Unidade de Gestão de Infraestrutura e Serviços Públicos (UGISP), Fundação Municipal de Ação Social (Fumas) e Unidade de Gestão de Assistência e Desenvolvimento Social (UGADS).

O levantamento dos pontos com descarte irregular de lixo e entulho foi feito pela Fumas. Ao todo, 15  pontos com irregularidades foram identificados. O órgão também irá identificar os permissionários responsáveis pelos lotes (ou seja, as pessoas que assinaram o Termo de Permissão de Uso – TPU) para solicitar que os mesmos façam a construção do muro e se responsabilizem pela manutenção da limpeza do terreno, que será feita, desta vez, feita pela UGISP.

Segundo o gestor da Unidade de Infraestrutura e Serviços Públicos, Adilson Rosa, os pontos identificados de descarte clandestino serão limpos pelas equipes da administração municipal, contudo, há necessidade de parceria com a população para que o problema não seja reincidente. “A intenção, em parceria com moradores que estão se organizando em associação, é fazer com que a população se mobilize para o descarte correto, nos dias adequados das coletas, seja de lixo e Cata-Treco. Com relação ao resto de construção, o depósito deve ser feito nos ecopontos. Do contrário, é crime ambiental”, explica.

O descarte clandestino de entulho, segundo o diretor de Limpeza Pública Márcio Moraes, está sendo alvo de fiscalização. “Fazer o descarte irregular é um crime ambiental passível de multa, no valor de R$ 400. Ações fiscalizatórias estão acontecendo em toda a cidade”, orienta.

A UGISP ainda revitalizará a praça do bairro, na entrada da rua Bom Sucesso, para melhor uso da população.

Sequência

A ‘Casa Azul’ – prédio público que ficou fechado por alguns períodos, e desde meados do ano passado conta com uma sala de aula descentralizada para Educação de Jovens e Adultos (EJA) -, será compartilhada com a UGADS, para oferecimento de oficinas educacionais. De acordo com a gestora de Assistência e Desenvolvimento Social, Nádia Taffarello, é uma forma de ampliar e facilitar o acesso aos serviços pela população. “O Cras Central precisa de mais espaço, e a Casa Azul será uma extensão dos serviços e atenderá não somente a população do Fepasa como de bairro adjacentes”, detalha.

José Francisco Souza, morador no bairro há nove anos, está animado com as novidades. “A limpeza dos entulhos é importante. Valoriza a população. Também é interessante a retomada de uso da Casa Azul. Assim será possível oferecer mais serviços para os moradores”, comenta.