Miguel Haddad integra comissão da Reforma Política

Foi instalada na Câmara dos Deputados, em Brasília, a comissão especial para a discussão da Reforma Política, umas das mais importantes diante do cenário de crise política estabelecida no País. O deputado Miguel Haddad (PSDB-SP) é um dos representantes do PSDB nesta comissão que analisa a PEC 282/16. “A Reforma Política é a mais importante de todas. Se não mudarmos a maneira de fazer política no Brasil, nada vai mudar”, explica Miguel.

Atualmente, o Brasil tem 35 partidos registrados, cinco vezes mais do que a média dos países europeus. Outros 57 aguardam o registro. “Muitos não têm sequer um deputado federal eleito. Vivem do fundo partidário e, na época das eleições, fazem coligações para repassar o tempo da TV. Vamos lutar para acabar com isso. Essa será a minha posição. A Reforma Política é a medida que pode, de fato, mudar o Brasil e acabar com o excesso de legendas oportunistas”, define o parlamentar.

Sobre a PEC 282/16

A PEC 282/16 veda as coligações entre partidos nas eleições para deputado e vereador a partir de 2020 e estabelece a cláusula de desempenho para o funcionamento parlamentar das legendas. A deputada Shéridan (PSDB-RR) será a relatora. Conforme lembra a parlamentar do PSDB, a proposta já aprovada no Senado proporcionará uma readequação do sistema eleitoral.

De autoria de senadores tucanos, a PEC foi relatada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara pelo deputado Betinho Gomes (PSDB-PE). A proposta foi aprovada no ano passado pelo Senado e recebeu parecer favorável da CCJ em maio deste ano. Para Betinho, a proposta é um passo importante para ajustar o sistema político brasileiro. Como destaca, a PEC acaba com a farra da criação de partidos. “A proposta vai ajustar o sistema e dar qualidade ao debate político no Congresso e na sociedade”, explicou na ocasião da aprovação na CCJ.

A proposta prevê que, no pleito do próximo ano, apenas os partidos que obtiverem 2% dos votos válidos em pelo menos 14 estados, com no mínimo 2% de votos válidos em cada um deles, terão direito ao funcionamento parlamentar. A partir de 2022, essa cláusula de desempenho subiria para 3% dos votos válidos.

A PEC 282/16 também trata da fidelidade partidária. Pela proposta, o político que se desfilar do partido pelo qual foi eleito perderá o mandato. A regra também valerá para suplentes e vice-presidentes, vice-governadores e vice-prefeitos. Hoje, a resolução do TSE já prevê a perda do mandato para todos os políticos que trocam de partido sem justa causa.