Confusão generalizada dentro do ônibus

Os passageiros da linha do Terminal Central para a Vila Rami viveram, nesta sexta-feira, dia 2, momentos de tensão e trocas de ofensas. A “briga” começou com uma grávida contra o motorista e generalizou, com os passageiros do “fundo” contra os da “frente”. Houve ameaças de socos e até uma “cusparada”.

Tudo começou na saída do ônibus do Terminal Central. Quando o motorista engatou a primeira marcha, uma mulher gritou que estava grávida e avisou que o motorista deveria esperar ela se sentar para sair com o coletivo.

A mulher começou a ofender o motorista. Disse que ele tinha de “aprender a colocar o ônibus em movimento só quando as grávidas se sentassem”. Em seguida comentou que iria reclamar com os fiscais. Ainda dentro do Terminal Central o motorista parou o ônibus e chamou o encarregado, pedindo para a mulher reclamar direto com o seu superior.

Os demais passageiros se revoltaram com o ônibus parado e a grávida reclamando do motorista.

Alguns começaram a gritar que tinham horário, que o ônibus estava atrasado. Outros mandaram a grávida usar o “Uber”, se queria “conforto”.

Uma das passageiras passou a defender a grávida, avisando que o motorista deveria sim esperar a mulher se sentar e que todos os passageiros deveriam se sensibilizar com a situação.

Um homem, no fundo do ônibus, gritou para o motorista tocar o ônibus, porque todos queriam voltar para casa e pediu para o fiscal descer do coletivo. “Vamos, vamos”, disse.

Para quem pensava que a discussão havia terminado, ela só estava começando. Um jovem comentou: “vale a pena pagar R$ 3,80. Onde que eu vou ver uma coisa dessas, Nem na televisão passa isso”.

Uma mãe, com criança de colo, comentou que achou absurdo: “quando eu tava grávida não pegava ônibus” e completou: “coitado do motorista se tiver que esperar todas as grávidas se sentarem, olha como os passageiros ficaram revoltados com o ônibus parado”.

A passageira que resolveu defender a grávida disse que os demais passageiros deveriam calar a boca, quando a grávida desceu na rua Bom Jesus de Pirapora para subir a rua Messina a pé até o  Hospital Universitário.

Um homem – que havia pedido para o motorista seguir viagem no Terminal – bateu boca com a defensora da grávida.

Quando ela mandou ele “rodar bolsinha” na praça, o homem ficou irritado e partiu em direção dela.

A mulher não parou de provocar e ele continuou a ofendê-la. O passageiro que estava descendo do ônibus voltou e deu cusparada em direção dessa passageira.

Uma idosa, que reclamou do comportamento da grávida contra o motorista, também trocou ofensas com a passageira que levou a cusparada. A passageira ofendeu a idosa, que se levantou do seu banco e foi em direção da passageira.

Os demais usuários da linha, que estavam em pé, evitaram as vias de fato entre as duas.

A passageira que defendeu o tempo todo a grávida acabou descendo no ponto da Polícia Rodoviária.

A partir daí a viagem foi normal para os demais passageiros.

 

%d blogueiros gostam disto: