Prefeito de Itatiba é chamado para esclarecer crise na Saúde

A população de Itatiba lotou a Câmara Municipal, para acompanhar a sessão extraordinária convocada pelos vereadores, para que o prefeito Douglas Augusto e o secretário de Saúde, Fábio Luiz Alves, dessem esclarecimentos sobre vários problemas.

Os trabalhos foram liderados por Hiroshi Bando (PP), vice-presidente da Casa. A convocação para a Sessão foi feita pelo presidente Flávio Monte (DEM), em atendimento ao requerimento 233/2017, do vereador Edvaldo Hungaro (PDT).

Avanços

Inicialmente, o secretário de Saúde expôs os dados da pasta. Segundo ele, foi adotado na cidade um modelo de atenção em saúde, que preconiza atendimento integral das necessidades dos usuários; sistema em rede, com a articulação da atenção básica, especializada, atenção hospitalar e vigilância em saúde; gestão participativa, co-gestão e valorização dos trabalhadores.

O secretário apontou os avanços alcançados no primeiro quadrimestre: ausência de formação de filas na madrugada nas unidades de saúde para marcação de consultas; visita domiciliares pelas equipes do PSF; aumento geral no conjunto de atendimentos.  Além disso, leis aprovadas pela Câmara como o Programa Hora Certa (em toda rede de serviços públicos garantindo humanização da assistência) e o Projeto Acelera Saúde (garantia de agilidade na fila de espera das consultas especializadas) também auxiliaram na melhora dos índices.

Confira aqui a apresentação dos dados feita na Sessão: http://camaraitatiba.sp.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/apresentacao_extraordinaria_saude_25052017.pdf

Demora para agendamento

O vereador-suplente André do Gás (PDT) questionou: “Por qual motivo a consulta de um clínico geral demora de dois a três meses para ocorrer?”. Fabio Alves respondeu: “Todo mundo está sendo atendido e o tempo que demora é de acordo com cada diagnóstico. O paciente faz o exame e já sai com a data de retorno agendada”.

UPA

Em resposta ao vereador Fernando Soares (PR), o secretário lembrou que a UPA é gerida por uma Organização Social (OS) terceirizada, a Associação Brasileira de Beneficência Comunitária (ABBC). “Os médicos da UPA não estão autorizados a dizer que não atendem porque o salário está atrasado”. O prefeito completou: “A ABBC ‘quarteiriza’ a contratação dos médicos e a realização de exames; e é ela quem atrasa os pagamentos. O que nós buscamos é o atendimento. Se os médicos pararem, nós cassamos o contrato”. Ele também lembrou que o contrato com a Associação vem do governo anterior e que, se o mesmo não fosse continuado, ia se instalar o caos na saúde na cidade.

Santa Casa

Em resposta a diversos vereadores, o secretário explicou sobre o plano operativo da Santa Casa. “Está sendo feito detalhadamente com os técnicos da secretaria de Saúde e da Santa Casa. Chegamos a um consenso de valores e profissionais necessários”. O prefeito Douglas complementou: “Antes o plano era genérico; agora, contempla itens como gerenciamento remoto dos leitos ocupados de UTI e a presença de um diretor assistencial médico da Prefeitura na Santa Casa para acompanhar os trabalhos”.

Pronto atendimento

Também em resposta ao questionamento dos vereadores sobre locais de pronto atendimento, o secretário de saúde disse que “o papel da UPA é atender casos de média e baixa complexidade. Quando tiver grau de risco maior, o cidadão deve procurar a Santa Casa. O ideal seria que tivesse o pronto atendimento em ambos os equipamentos. Não dá para admitir o cidadão não ser atendido”. Douglas: “Nossa ideia é chegar, no futuro, ao prontuário eletrônico. Com ele, teremos o georreferenciamento, orientando o atendimento de acordo com a residência de cada pessoa”.

Especialidades

A vereadora Deborah Oliveira (PPS) questionou sobre a organização dos prédios de especialidades, como o Caism e o Ciso. Fabio respondeu: “Estamos pensando em centralizar as especialidades, visando garantir fluxo assistencial e economia”. Douglas: “O prédio da USF, que foi recentemente devolvido à Prefeitura, é muito importante. Se nós centralizarmos os serviços, diminuiremos os custos e ofereceremos uma estrutura melhor para atender o cidadão”.

PSFs

O vereador Thomás Capeletto (PSDB) questionou a demissão de 150 funcionários dos PSFs. “Com o término do contrato com a empresa Vida Assessoria, como será feita a contratação da nova OS que irá gerir os PSFs?”. O secretário esclareceu: “O processo de chamamento da OS é diferente da contratação emergencial que foi feita. É um projeto ampliado e mais complexo. A OS tem autonomia de contratação”. Sidney Ferreira (PSDB) questionou se a Prefeitura tem recebido a verba federal para os servidores dos PSFs.  O secretário respondeu que os funcionários estão sendo pagos em dia. “Nós estamos garantindo que o acordo salarial de cada categoria seja mantido”, disse.

No encerramento do evento, os representantes do Poder Executivo agradeceram a oportunidade. Fabio Luiz Alves disse estar aberto às demandas dos vereadores. O prefeito Douglas disse ter profundo respeito pela Câmara. “Agradeço novamente a ocasião e coloco à disposição todos os secretários municipais, quando a Câmara quiser, para atender os anseios dos vereadores e da população”.