ARTIGO: O fim do foro privilegiado

MIGUEL HADDAD

Às vezes fico pensando como os brasileiros do futuro verão o momento atual. Com certeza haverá muito a ser criticado pelas futuras gerações. Afinal, o montante de dinheiro público desviado para a corrupção, revelado pelas investigações em curso, é considerado, por observadores internacionais, o maior da História.

Mas não é preciso que a marca deste momento da vida nacional se restrinja a essa mancha. Podemos deixar como legado, fruto da revolta da população contra esse estado de coisas, medidas de fato saneadoras, sólidas e consequentes, que deitem por terra os esteios que permitiram essa série assustadora de abusos. Dentre esses legados, talvez o mais importante seja o fim do foro privilegiado, que acaba de entrar na pauta de votação do Senado.

Para entender a importância dessa medida é preciso ter uma visão dos fundamentos que nos levaram a esse triste recorde mundial. Pode-se dizer que alcançamos o pico da iniquidade, no que se refere à moralidade pública, em razão da confluência de dois fatores.

De um lado, a permanência por quase quatro mandatos sucessivos de um partido para o qual, em razão de seus compromissos ideológicos, o uso do dinheiro da corrupção era um meio válido de financiar, como propunham alguns ideólogos, os seus fins: a revolução socialista a partir do interior do estado democrático.

Quando se pensa no que aconteceu em países como a Venezuela, que enveredaram por esse caminho, fica claro que o risco que corremos não foi apenas o de mergulhar em uma avassaladora crise econômica – como de fato ocorreu -, mas, ainda, de assistirmos a derrocada da democracia e o surgimento do totalitarismo.

De outro lado, esse sem qualquer ideologia, a certeza histórica da impunidade dos poderosos, que é a marca maior da desigualdade nacional.

Esperamos que a mudança em curso no rumo da economia seja capaz de por em movimento as forças latentes da sociedade brasileira, colocando o País no rumo certo para sairmos do subdesenvolvimento e nos livrando de vez, como uma vacina, das ilusões que jamais deram certo em país algum do mundo.

Da mesma forma, a partir da mobilização vigilante da sociedade brasileira, aguardamos que as propostas como o fim do foro privilegiado e as 10 medidas contra a corrupção sejam aprovadas, decretando, para sempre, o fim desses privilégios inaceitáveis.

  • Miguel Haddad é deputado federal
%d blogueiros gostam disto: