Briga de trânsito vira caso de polícia

O fim de tarde desta sexta-feira para muita gente foi de transtornos no trânsito, na região da Marginal do Rio Jundiaí e da Ponte São João. O motivo foi uma briga de trânsito envolvendo três pessoas. Motoristas ficaram parados na avenida por mais de duas horas.

Um policial civil foi fechado por um motorista. Ele disse que deu sinal de “positivo” para o outro condutor, que resolveu enfrentá-lo, falando muitas palavras de baixo calão.

O policial disse que em seu carro havia câmera e estava filmando tudo. Nesse momento apareceu um terceiro motorista, que não tinha nada a ver com o que estava acontecendo e mandou o autor da confusão ir embora.

O policial relata que essa terceira pessoa causou a maior confusão e impediu ele de levar para a Delegacia o outro motorista. No final, quem foi detido é o motorista que quis resolver a situação sozinho.

Populares informaram que o policial civil chegou a mostrar a sua arma e os demais ligaram para o 190, com a Polícia Militar “fechando” o Viaduto da Duratex.

A manhã também foi de transtornos aos motoristas que utilizam o viaduto, devido o tombamento de um carro na Ponte Torta, no final da rua José do Patrocínio. De acordo com amigos da vítima, que é uma mulher, foi fechada e atingida por outro carro. A mulher está internada, com fraturas pelo corpo.

Grávida conta a sua versão
Tamara Shahira Zareen relata como tudo começou:
“Infelizmente isso aconteceu comigo, esse senhor qur disse ser policial estava a paisana, e ñ apresentou a carteira funcional dele.
Nos fechou ( estavamos eu gravida de 7 meses e meu namorado no carro), ai meu namorado realmente falou um palavrão pra ele.
Nisso este senhor puxou uma arma e mandou encostar, jogando o carro pra cima de nos.
Empunhada a arma ele veio ate nosso carro com a arma na cabeça do meu namorado, mandou ele descer.
Eu entrei em desepero fiquei por cima do meu namorado falando pra ele ñ descer, nisso ele colocou a arma na minha cabeça, meu namorado disse pra ele que eu estava gravida.
Este sujeito ñ queria saber, ai eu começei a businar e pedir socorro, pedir pra alguem chamar a policia.
Nessa hora, começou a parar alguns populares para nos ajudar.
Ai esse sujeito que se diz policial guardou a arma.
As pessoas tentavam conversar com ele, mas ele era agrecivo com todas elas.
Ate que um moço segurou ele para que sairssemos de lah, pois eu estava passando mal e com medo de acontecer algo com o meu bebê.
Agora estou aqui em uma delegacia prestando queixa dele, pois uma pessoa desiquilibrada como ele, se realmente for um polical, de forma alguma deve andar armado.
Ele ñ é uma pessoa estavel para ultilizar uma arma no meio de outras pessoas.
Ele é totalmente desequilibrado, apontar uma arma na caveça de uma mulher gravida de 7 meses que esta desarmanda ñ é coisa de gente normal.
O que mais doi, é sabe que é um policial que esta lah pra nos defender, e eu sou vitima dele, pra mim ele ñ passa de um bandido com uma arma na mão, e é uma vergonha para a coorporação de policias que são herois.
Esse que apontou a arma na minha cabeça gravida de 7 meses e do meu namorado é um bandido armado.”, completou Tamara.

Foto do leitor Patrick da Marginal do Rio Jundiaí, que parou até Várzea Paulista

%d blogueiros gostam disto: