Clientes devem R$ 37 milhões para a DAE Jundiaí

A DAE Jundiaí começou a cobrar clientes que devem R$ 37 milhões para a empresa, dentre eles consumidores residenciais, comerciais, industriais, clubes e até órgãos do Governo do Estado. No final do ano passado o governador Geraldo Alckmin liberou cheque para pagamento das contas de água do Centro de Detenção Provisória (CDP), que estavam atrasadas havia vários meses.

Com o objetivo de oferecer oportunidade e facilidade para que os clientes com débitos junto à DAE possam regularizar sua situação, evitar o corte de água e ampliar o investimento em obra de saneamento do município, a DAE Jundiaí lança campanha para reduzir o número de inadimplentes.

“Essa é uma oportunidade para que os clientes fiquem em dia com a DAE, antes que tenham o abastecimento de água cortado.

O parcelamento pode ser dividido em até 12 vezes e a data do vencimento escolhida pelo cliente, para não conflitar com a conta de água mensal”, explica o diretor comercial da DAE Jundiaí, Luiz Fernando Camargo Petroni.

Para regularizar a situação, o cliente deve levar o carnê do IPTU atual ou número da matrícula do imóvel, as contas de água em atraso, mais documentos pessoais até um dos Postos de Atendimento da DAE localizados nos bairros:

– Ponte São João (avenida São João, 611),

– Centro (rua Zacarias de Góes, 255),

– Vila Arens (avenida Dr. Olavo Guimarães, 297),

– Eloy Chaves (avenida Benedicto Castilho de Andrade, 369) ou na

– sede da empresa (rodovia Geraldo Dias, 1500 – próximo ao Terminal da Vila Hortolândia).

Em caso de dúvida o cliente pode entrar em contato pelo 0800-133-155, de segunda a sexta-feira, das 6 às 22 horas.

Investimentos
O pagamento dos débitos ajuda a DAE a cumprir o orçamento estabelecido e permite que a empresa mantenha sua capacidade de investimento nas obras de manutenção, reforma e ampliação das redes de água e esgoto, além de garantir melhor eficiência nos serviços prestados pela empresa.

“É a conta de água que remunera o custeio da DAE, é a política tarifária que assegura a manutenção de serviços adequados e a garantia da amortização dos investimentos da empresa”, afirma o diretor Financeiro da DAE Jundiaí, Evandro Biancarelli.

O diretor Financeiro ainda comenta que Jundiaí não teve racionamento de água na crise hídrica enfrentada pelo Estado de São Paulo em 2014. “Isso só foi possível graças aos investimentos realizados no saneamento de Jundiaí ao longo das últimas décadas. Para mantermos a segurança hídrica para o município, precisamos que a DAE continue com boa saúde financeira”, conclui Evandro.