Comerciante assassinado em Vinhedo

Um comerciante de 47 anos foi encontrado morto, na manhã desta quarta-feira (15), com um tiro na cabeça e com os pés amarrados dentro de sua casa, em uma chácara na Rodovia Edenor João Tasca, no bairro Caixa D’água, em Vinhedo. Na chácara funciona um comércio de vendas de pássaros raros. Uma das linhas de investigação da Polícia Civil é execução, já que nada foi levado.

O corpo de Maurício Pereira Lima foi achado por um funcionário que chegou para trabalhar por volta das 7h. A vítima morava sozinha no local há pelo menos 10 anos. O último contato mantido com uma irmã foi por volta das 20h30 de anteontem. A suspeita é que o crime tenha acontecido entre este horário e 7h da manhã de ontem.

De acordo com informações concedidas por familiares à polícia, Lima era uma pessoa de difícil relacionamento com as pessoas e no final do ano passado se desentendeu com uma pessoa que queria comprar pássaros. Em outubro do ano passado, a Polícia Ambiental tinha constatado algumas irregularidades com as criações das aves, que estava sob depósito judicial, não sendo passíveis de venda. Entre os animais comercializados constam arara, tucano e papagaio.

Segundo a Polícia Civil, não houve arrombamento no imóvel. O portão, bem como a porta da sala foram achados destrancados e abertos. A sala estava revirada. Segundo a polícia, os criminosos montaram um cenário para simular um assalto. Os suspeitos chegaram a danificar um aparelho onde é gravado as imagens de segurança, mas o material foi recolhido para perícia e verificar se há imagens do crime.

Lima foi executado no quintal de casa e levado para a sala onde teve os pés amarrados. Uma camiseta com manchas de sangue foi achada no quintal e apreendida. Nas costas da vítima havia terra e escoriações no braço, sinal de que houve luta corporal. “Tudo indica uma execução, mas vamos apurar a motivação e quem são os autores. A esperança é que nos equipamentos apreendidos há imagens dos autores” , disse um policial, cujo nome foi preservado.

O funcionário que achou o corpo do comerciante trabalha no local há cinco meses. Ele ligou para a Guarda Municipal (GM) que pediu apoio para a Polícia Militar (PM). A perícia também esteve no local. O caso foi registrado como homicídio. Sobre a mesa a polícia achou um revólver de calibre 32 que seria da vítima. A suspeita é que os assassinos tenham usado uma pistola ponto 380.

Texto: Alenita Ramirez / Foto: Leandro Ferreira/AAN