Amor & Sexo volta com ousadia

Alegria & Respeito. Música & Performance. Igualdade & Democracia. Transgressão & Bom Humor. É tempo de celebrar, pois, em 2017, tem mais ‘Amor & Sexo’. Fernanda Lima volta às noites de quinta-feira no dia 26 de janeiro para a décima temporada do programa, brindando o público com mais temas deliciosos, abordagens de vanguarda e figurinos incríveis. Sem jamais perder a leveza, as brincadeiras e o tom informativo.

“O ‘Amor & Sexo’ tem esse tempero de ousadia, informação e diversão porque, assim, acredito que conseguimos fazer uma comunicação democrática, uma comunicação de massa que atinja o maior numero de pessoas possível. Para mim, o interessante é que todo mundo entenda o que a gente está falando, numa linguagem acessível e amorosa. Defendemos uma causa nobre, que é busca pela igualdade, pelo respeito às diferenças e, às minorias. A gente quer alcançar pessoas que talvez nunca entrariam em contato com os assuntos que abordamos e assim entreter e informar ao mesmo tempo”, define Fernanda Lima.

Entre os jurados, a novidade é chegada do humorista Eduardo Sterblitch, que passa a dividir a bancada com Mariana Santos, Otaviano Costa, José Loretto, Regina Navarro Lins e Dudu Bertholini. Além de jurado, Dudu também assina o figurino da atração, junto com a figurinista Flávia Costa. O cenário fica por conta de Alexandre Gomes.

Sem economizar pimenta ao lidar com os mais diversos tabus, mas com a contextualização que cada tema merece – de nudez a política de gêneros e empoderamento feminino -, a próxima temporada ainda terá convidados como Elza Soares, Karol Conká e Paulo Zulu, entre outros. Os debates e as brincadeiras serão embalados pela música de Pabllo Vittar e Régis Paulino e pela irreverência dos personagens Zentai e Borat.

“A gente fala do que está acontecendo. É um desafio manter a diversão tratando de assuntos tão sérios com tanta verdade no que está sendo dito. Não são teorias, são pessoas reais. Amor e sexo são temas inesgotáveis e em constante mudança. A forma como a sociedade trata o amor e o sexo muda, e isso faz com que o programa mude junto, na vanguarda do que está acontecendo”, analisa a diretora geral Daniela Gleiser.

‘Amor & Sexo’ volta no dia 26 de janeiro, logo após o ‘Big Brother Brasil’, com redação-final de Antônio Amâncio e direção-geral de Daniela Gleiser.

Entrevista com Fernanda Lima

O último ‘Amor & Sexo’ da temporada passada foi só emoção, pois o programa acabaria. Parece que o público não deixou, não é? Como você se sentiu quando foi confirmada a volta do programa, diante da excelente repercussão que tem conquistado?
Fiquei feliz de saber que o programa voltaria, mas também apreensiva porque sabia que teria muito trabalho pela frente. Fica aquela apreensão de fazer uma temporada melhor, evoluir a cada ano. Mas a sensação de ver o sorriso de satisfação das pessoas, cada vez que me perguntam se o programa vai ter volta, quando eu digo que sim, compensa qualquer dificuldade e preocupação na escolha de roteiros e pautas.

Você é mais do que apresentadora no programa. Como é a sua rotina de preparação e execução da atração? De quais etapas você participa?
Começamos  a elaborar o programa assim que terminou o ‘Superstar’, em junho. A gente já estava pensando na temática, no que a gente queria falar, como a gente queria falar e como abordaríamos os assuntos. Durante três meses nos dedicamos à elaboração de ideias e roteiro. Nos meses finais, antes da gravação, eu começo as aulas de canto, de balé, de reforço para a coluna e todas as preparações corporais possíveis, que é quase uma preparação de atleta, para começar a ensaiar as coreografias, colocar voz nas músicas etc. Começamos também a fechar os programas de fato, fazendo com que 50 páginas virem 20, por exemplo, e eu vou começando a pensar o programa na forma de apresentação, coloco no meu estilo, imprimo, começo a ler… Vêm, então, os ensaios, a gravação e depois também participo da aprovação da edição até o programa ir ao ar. Ou seja, eu cuido da criança até o final (risos). Sou apegada e apaixonada por esse programa.

Quais são as novidades desta temporada? E o que permanece das temporadas passadas?
Nessa temporada tem o Edu Sterblitch, que vem para o nosso programa. O restante é o que as pessoas já estão acostumadas e esperam do ‘Amor & Sexo’: assuntos relevantes, com graça, alegria, transparência, com abertura ao diálogo e com debates esclarecedores.

Vai ser uma temporada mais musical?
Vai ser uma temporada tão musical quanto a passada. A gente acredita que a música costura muito bem o programa, a gente faz uma produção musical bem rica, que conversa com o programa o tempo todo e isso vai continuar sendo um forte da atração.

Outro ponto que sempre dá o que falar são os seus figurinos. Vão continuar exuberantes? O que podemos esperar de novo?
O figurino é um dos protagonistas deste programa. É sempre uma grande inspiração para a temporada, e a gente tenta cada vez vê-lo com mais atenção. Os figurinos estão lindos e conversam com o programa todo. Não só o meu figurino, mas o figurino dos bailarinos, da banda e, hoje em dia, até o figurino dos jurados, para que o programa fique com uma linguagem só.

Como foi a escolha do Eduardo Sterblitch para completar a bancada? Como tem sido gravar com ele?
O Edu foi uma grata surpresa. Sempre achei ele bastante engraçado e criativo. A gente não sabia exatamente como encaixaria um cara que vem de uma outra linguagem de TV num programa como o ‘Amor & Sexo’, mas estamos descobrindo juntos. Inclusive é o objetivo dele nessa temporada: se enquadrar num programa comandado por uma mulher, que vai ficar de olho nele, controlar tudo o que ele diz, porque realmente é um programa feminino, feminista, apresentado por uma mulher que defende causas feministas e de igualdade, e que não vai aceitar nenhuma brincadeirinha machista ou grosseira. Então, vamos ter que aprender a fazer juntos esse programa. Mas ele é muito bem-vindo. É um menino extremamente sensível, criativo, carinhoso, alegre e eu acho que não vai ter grandes dificuldades (risos).

Em tempos de tanta polarização, está mais difícil falar de amor e sexo? Qual a importância da existência do programa numa era de debates tão acirrados e, ao mesmo tempo, de quebra de paradigmas?
Acho que o debate sobre amor e sexualidade sempre vai existir e será sempre muito rico. Nosso objetivo é trazer esse debate com muito carinho, sem conflitos que gerem oposições, mas com aprendizados mútuos. Acredito que as pessoas tenham o mesmo ideal em relação ao amor e à sexualidade. Querem viver melhor suas relações, entender as causas da repressão que sofremos, ter liberdade para dialogar e serem o que quiserem ser. Felizmente o Brasil está aberto a esse diálogo diante de tantas culturas que matam seus homossexuais, extirpam clitóris das mulheres e promovem casamentos de adultos com crianças, por exemplo. Porém, mesmo aqui, estamos enfrentando um triste movimento de ideias retrógradas, e é contra isso que vamos falar sempre. Sabemos que a sexualidade é uma das maiores causas de sofrimento da humanidade. Então, a gente briga pela nossa causa, que é trazer a sexualidade para um debate sincero e carinhoso. Assim as pessoas vão ter menos problemas, vão viver melhor com a sua sexualidade, não vão se incomodar tanto com a sexualidade do vizinho, e poderemos viver numa sociedade um pouco mais pacífica.

Entrevista com a diretora Daniela Gleiser

O que podemos esperar desta nova temporada de ‘Amor & Sexo’?
Pelo fato de a gente estar fazendo a décima temporada, o programa está mais maduro. A gente trata os temas de forma mais profunda, mais madura, sem perder o bom humor, a leveza e a diversão com que a gente aborda os assuntos.

Uma banda, um corpo de baile, uma apresentadora e uma bancada com sete convidados fixos, além dos convidados eventuais. Qual é o maior desafio de estar à frente de toda essa engrenagem?

A gente tenta fazer uma pitada de tudo: ter um show bacana, um papo que costure tudo com os convidados e as dinâmicas com os jurados. Tudo tem um porquê de estar ali. Antes da gravação, eu ensaio o programa com a Fernanda, balé e a banda e orquestro o momento. A gente prepara tudo para que na hora seja uma surpresa e funcione bem para todo mundo.

Cada programa vai tratar de um tema específico ou isso varia a cada semana?

Cada programa é um tema, como fizemos nas temporadas anteriores.

Entre a primeira temporada e a décima, se passaram 7 anos. Mudou a forma como o público fala sobre sexo?

Muito. Sem dúvida, hoje a sociedade fala de amor e sexo de forma mais natural. Na primeira temporada, a gente terminou falando ‘como a gente vai fazer mais uma? O que mais ainda podemos falar?’. E fomos avançando, avançando… Sempre tem o que falar. Continuamos avançando.

E qual é o segredo para dosar, de forma vanguardista, ousadia, informação e diversão?
A gente fala do que está acontecendo, do comportamento da sociedade. É um desafio manter a diversão tratando de assuntos tão sérios com tanta verdade no que está sendo dito. Não são teorias, são pessoas reais.